China obtém promissores progressos no desenvolvimento de uma vacina contra o v-PSA

Afisa-PR

China obtém promissores progressos no desenvolvimento de uma vacina contra o v-PSA

"A avaliação da virulência, imunogenicidade, segurança e eficácia protetora em suínos livres de patógenos específicos, suínos comerciais e fêmeas prenhes indicou que um vírus, chamado HLJ/-18-7GD, com sete genes excluídos, é totalmente atenuado em suínos, não pode se converter à cepa virulenta e fornece proteção completa dos suínos contra o desafio letal do v-PSA"

 

Segundo a notícia Researchers identify a "promising" ASF vaccine breakthrough1 (por The Pig Site) do The Pig Site de 6 de março de 2020, os resultados do desenvolvimento de uma vacina eficaz contra a peste suína africana (PSA) foram detalhados em um artigo científico2 recentemente publicado pelo Harbin Veterinary Research Institute (HVRI), subordinado à Chinese Academy of Agricultural Sciences (CAAS), na cidade de Harbin, nordeste da China.

 

 

Exportação de carne in natura e processada para os EUA

Afisa-PR

Exportação de carne in natura e processada para os EUA

Nova auditoria do FSIS confirma que o DIPOA implementou completamente as ações corretivas

 

A mais recente auditoria — Final follow-up report of na audit conducted in Brazil january 13-24, 2020 — do Food Safety and Inspection Service (FSIS)1 realizada no Brasil entre os dias 13 e 24 de janeiro deste ano, reavaliou "os sistemas de segurança alimentar que regem" a inspeção pública de produtos de origem animal para fins de exportação aos EUA, e constatou que o Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (DIPOA)2  "implementou completamente as ações corretivas" em "dois componentes de equivalência" entre as fiscalizações agropecuárias dos EUA e do Brasil.

 

 

Attachments:
Download this file (brazil-far-2020.pdf)brazil-far-2020.pdf[ ]1497 kB

A PSA se espalha lentamente na UE

Afisa-PR

A PSA se espalha lentamente na UE

O recente relatório científico Epidemiological analyses of African swine fever in the European Union (November 2018 to October 2019) mostra que agora todas as fases da epidemia de peste suína africana (PSA) estão representadas na União Europeia (UE)

 

Em 2019, segundo a notícia African swine fever: disease spreading slowly in EU da European Food Safety Authority (EFSA) de 30 de janeiro de 2020, a área da UE afetada pela mortal peste suína africana (PSA) expandiu-se progressivamente, movendo-se principalmente na sua direção ocidental.

 

 

Attachments:
Download this file ((EFSA)_et_al-2020-EFSA_Journal.pdf)(EFSA)_et_al-2020-EFSA_Journal.pdf[ ]25053 kB
Download this file (Journal of Virology-2020-Cackett-JVI.00119-20.full.pdf)Journal of Virology-2020-Cackett-JVI.00119-20.full[The African Swine Fever Virus Transcriptome]5194 kB

A PSA no Brasil é uma situação concreta

Afisa-PR

A PSA no Brasil é uma situação concreta

Caso o Brasil fique livre da peste suína africana (PSA) os suinocultores poderão ganhar alguns anos de lucrativa atividade. Porém, será que as fiscalizações agropecuárias públicas envolvidas estão verdadeiramente preparadas — em infraestrutura e em contingente de fiscais agropecuários — para impedir o ingresso e disseminação do mortal vírus da PSA

  

Poucas pessoas se lembram que, na década de 1970, o mortal vírus da peste suína africana (PSA) estava presente nas Américas levando à morte 1,2 milhão de suínos. Sobre essa catástrofe sanitária, a notícia ASF in the Americas is no science fiction at all (por Vincent ter Beek) do Pig Progress de 17 de janeiro de 2020, revela que, entre 1978 e 1981, a erradicação da PSA no Brasil foi direcionada e que o surto brasileiro (entre 1978 e 1979) provavelmente foi o melhor caso documentado.

 

 

Agrotóxicos: Mercosul X União Europeia (UE)

Afisa-PR

Agrotóxicos: Mercosul X União Europeia (UE)

Brasil & liberado: acefato, atrazina e paraquate; UE & proibido: acefato, atrazina e paraquate

 

Consumo do agrotóxico glifosato no Paraná

[P. 31] Entre 2009 e 2014, segundo o A geography of agrotoxins use in Brazil and its relations to the European Union, o comércio do agrotóxico glifosato no Brasil cresceu "de 118 mil toneladas para 194 mil toneladas, um aumento de 64% em apenas seis anos".

O Paraná, em 2014, foi o segundo do país na quantidade comercializada do agrotóxico glifosato, com cerca de 25 mil toneladas.