Afisa-PR

EUA: pandemia, desregulamentação e privatização da fiscalização pública da carne

Um "modelo" neoliberal que desregulamenta e privatiza a fiscalização pública da carne e que por aqui é "copiado e colado"; sofismado como "medida modernizadora" e sob "autocontrole" dos próprios frigoríficos. No Paraná, o governo Ratinho Junior, inconstitucionalmente e ilegalmente, mantém privatizada a "fiscalização da carne" em benefício dos frigoríficos "sob" SIP/POA em detrimento da segurança alimentar dos paranaenses

 

Indústria suína NSIS

Crédito imagem: The New Republic | Ralph Orlowski / Getty Images

 

Frigoríficos de suínos

Enquanto o mundo se concentra na pandemia da covid-19 e seu impacto devastador na saúde pública, “nos bastidores”, o governo Trump se ocupa em “dobrar a sua campanha” para desregulamentar e privatizar a fiscalização pública da carne. Ao mesmo tempo, Trump não atua para que sejam obrigatórias as medidas que poderiam proteger os trabalhadores dos frigoríficos e os fiscais agropecuários do Serviço de Inspeção e Segurança de Alimentos (FSIS) da contaminação pela covid-19. É o que relata a notícia USDA Is Removing Safeguards On Food While Everyone Else Is Fighting A Pandemic (por Tony Corbo) do Food & Water Watch de 16 de abril de 2020.

 

 

Segundo o Food & Water Watch, o FSIS "está desregulamentando a fiscalização pública da carne em alguns dos maiores frigoríficos de suínos" dos EUA e "reduzindo a quantidade de fiscais agropecuários nas linhas de produção".

O FSIS transfere suas "tarefas críticas de fiscalização para trabalhadores não treinados" dos frigoríficos e renúncia do limite de velocidade na linha de produção, sobrando menos tempo disponível para a inspeção das carcaças. O FSIS prevê que 40 frigoríficos de suínos "serão convertidos para esse método", que nos EUA se chama Novo Sistema de Inspeção de Suínos (NSIS). Esses 40 frigoríficos processam mais de 92% de toda a carne suína produzida nos EUA.

Segundo a notícia, "alguns dos grandes nomes do processamento da carne suína" dos EUA pressionam pela desregulamentação e privatização em detrimento da fiscalização pública da carne, tais como "JBS, Tyson, Smithfield, Clemens e Quality Pork Processors". Em um frigorífico piloto onde se testa o "funcionamento" do NSIS, o fiscal agropecuário do FSIS tem insuficientes 2,6 segundos para determinar se os trabalhadores do frigorífico "executam corretamente suas tarefas". Como consequência, não é incomum que esse frigorífico sob o NSIS forneça carne suína contaminada com fezes, pelos, unhas dos pés e bílis para a produção de bacon, costeletas de porco, cachorros-quentes, salsichas e outros produtos derivados.

Três ações judiciais para contestar o NSIS foram movidas por sindicatos de trabalhadores dos frigoríficos, grupos que defendem o bem-estar dos animais e defensores da segurança alimentar, incluindo o próprio Food & Water Watch e o Food Safety & Defense

Conforme o Food & Water Watch, o "FSIS escondeu [da população estadunidense] informações críticas", "quando propôs pela primeira vez o NSIS assustadoramente mínimo". O Food & Water Watch foi forçada a registrar litígios separados a fim de obter informações cruciais e que não eram reveladas, ou seja, que denunciam que o NSIS levava para o consumo mais carne suína contaminada, situação que poderia contribuir para a disseminação de doenças que devastam rebanhos ou são transmitidas para as pessoas.

 

 

O prazo que o FSIS concedeu para que os frigoríficos de suínos se convertam no NSIS venceu em 30 de março de 2020, porém, este serviço federal "se recusa a divulgar os nomes dos frigoríficos" que se converteram ao NSIS, deixando os consumidores estadunidenses "no escuro".

 

Frigoríficos de aves

Segundo a notícia, enquanto luta na pandemia para manter seus fiscais agropecuários nos frigoríficos de frangos, o FSIS, através da renúncia de regulamentação, permitiu que a velocidade da linha de produção se elevasse de 140 para 175 frangos por minuto. "Nas duas primeiras semanas de abril, o FSIS aprovou 11 renúncias" de regulamentação em benefício dos frigoríficos de frangos da Foster Farms, Tyson (4 plantas) e Wayne Farms (6 plantas). Esses 11 frigoríficos foram convertidos no — privatização sofismada como "modernizante" pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) — Novo Sistema de Inspeção de Aves (NPIS), no qual o número de fiscais agropecuários na linha de produção é reduzido e muitas das suas atribuições são repassadas para trabalhadores não treinados dos próprios frigoríficos.

Sob a fiscalização pública, cada fiscal agropecuário do FSIS inspeciona 35 aves por minuto. Sob o "modernizante" e privaticionista NPIS, apenas um fiscal agropecuário é designado para o final da linha de produção. Quando um frigorífico recebe do FSIS "uma renúncia de regulamentação da velocidade na linha de produção", esse único fiscal agropecuário que está no final da linha de produção, tem que "inspecionar" 3 carcaças de frangos por segundo — ou 175 por minuto. O processo de renúncia de regulamentação do FSIS para o aumento da velocidade na linha de produção "é realizado em segredo"; não "está aberto ao escrutínio público" até que o FSIS resolva revelar por conta própria para qual frigorífico concedeu sua renúncia. Desde que Trump assumiu, o USDA "aprovou 28 novas renúncias de regulamentação, principalmente em benefício dos grandes players da indústria avícola".

"Convidando todos" os frigoríficos "para o novo jogo" (desregulamentado e privaticionista), o FSIS "também está recrutando os frigoríficos de bovinos" a fim de desregulamentar e privatizar a fiscalização pública da carne. No final de março, o FSIS aprovou uma renúncia de regulamentação "através de seu processo secreto" em benefício de "um frigorífico da Tyson em Holcomb, Kansas, que abate até 6.000 cabeças de bovinos por dia". Essa renúncia foi projetada pelo FSIS para que fosse possível reduzir o número de fiscais agropecuários nas linhas de produção e para que o frigorífico aumentasse a velocidade das suas linhas de produção (dificultando a inspeção que garante segurança alimentar aos consumidores). "O FSIS não revelou o quão rápido funcionará as linhas de produção" ou quantos fiscais agropecuários serão retirados do frigorífico Tyson do Kansas e, segundo a notícia, o Food & Water Watch sabe que os resultados de mais essa renúncia "não resultarão em segurança alimentar" em favor dos consumidores estadunidenses.

 

Desregulamentação e privatização da fiscalização pública da carne ameaça a segurança alimentar

Segundo a notícia, "todos os movimentos" nos EUA que visam desregulamentar e privatizar a fiscalização pública da carne "são projetados para aumentar a produção" em prejuízo da "melhoria da segurança alimentar". Para o Food & Water Watch, as medidas tomadas pelo USDA e pelo FSIS, "contribuem para a expansão do modelo de agricultura industrial, promovendo o crescimento das fazendas industriais" e que elas são "ainda mais desconcertantes", pois "são tomadas em meio" à devastadora pandemia de covid-19 que assola os EUA.

 

 

Para o Food & Water Watch, "enquanto o governo Trump pisou no acelerador nas desregulamentações nas últimas semanas", existem inúmeros exemplos em todo os EUA "de frigoríficos sendo afetados pela propagação do vírus da covid-19" entre seus trabalhadores. Em comunidades rurais no Colorado, Delaware, Pensilvânia, Alabama, Mississippi, Geórgia, Iowa, Dakota do Sul e Nebraska os trabalhadores de frigoríficos contraíram a covid-19 quando foram forçados a trabalharem, em decorrência, alguns frigoríficos tiveram que reduzir seus abates ou interromper temporariamente as suas atividades.

 

 

 

"Nos casos em que os frigoríficos, como de costume, insistiram em continuar com seus negócios, mesmo quando seus trabalhadores adoeceram", essa imposição colocou os funcionários responsáveis pela saúde pública contra seus proprietários e também contra o secretário do USDA, Sonny Perdue.

 

 

Conforme a notícia, "os trabalhadores desses frigoríficos e os fiscais agropecuários" do FSIS não "receberam adequados equipamentos de proteção individual" e é "praticamente impossível o distanciamento social", porque os trabalhadores e os fiscais agropecuários atuam lado a lado nas operações de abate dos animais e processamento da carne. Quando os trabalhadores protestaram contra essas condições, "o vice-presidente Mike Pence teve a audácia de instar os trabalhadores a continuarem 'aparecendo e realizando seus serviços'".

 

EUA: "foi uma falsa escassez de carne"

Conforme a notícia 'It Was a Fake Meat Shortage': Reporting Suggests Industry Sacrificed Workers During Pandemic to Keep Exports Moving (por Eoin Higgins) dos Common Dreams de 17 de junho de 2020, como a pandemia da Covid-19 adoeceu em todo os EUA os trabalhadores de frigoríficos, ameaçando a produção de carne, os líderes da indústria animal apelaram ao governo para permitir que os frigoríficos permanecessem abertas, sob a alegação de uma "ameaça catastrófica de escassez de alimentos doméstica".

 

 

Funcionou — o presidente Donald Trump emitiu uma ordem executiva permitindo que os frigoríficos permanecessem aberto "como negócio essencial", mesmo quando seus trabalhadores estavam ficando doentes e morrendo. No entanto, de acordo com novas reportagens publicadas nos New York Times — As Meat Plants Stayed Open to Feed Americans, Exports to China Surgede  USA Today — As leaders warned of US meat shortages, overseas exports of pork and beef continued —, o setor de frigoríficos estava mentindo sobre a ameaça de uma escassez, a fim de manter grandes exportações para os mercados externos.

"Foi uma falsa escassez de carne", tuitou o jornalista trabalhista Steven Greenhouse.

 

Modificado em 18-6-2020 em 22:46

 

Matérias relacionadas:

14-8-2020 & Diário do Centro do Mundo (DCM) & Frigoríficos brasileiros: explorando os trabalhadores como sempre, lucrando como nunca [Há uma máxima do senso comum que diz: – "Enquanto uns choram prejuízos, outros riem e lucram vendendo lenços". Pois bem, fazendo o recorte para uma das áreas classificadas como essenciais, podemos observar que a maioria dos frigoríficos brasileiros, desde do início da pandemia por Sars-CoV- 2, além de estar lucrando muito, sob vários aspectos, evidenciaram o seu lado mais perverso nas relações de trabalho. (...) O Estado do Paraná, até o mês de junho, vinha com uma conduta exemplar em relação às medidas de combate a COVID19, principalmente no setor frigorífico, quando ainda no mês de abril houve a primeira morte de uma trabalhadora da empresa GTFoods, de Paranavaí. Na sequência, o Secretário de Saúde reuniu os representantes dos trabalhadores e do setor patronal e iniciou um importante processo de cobrança de unificação de protocolos e coleta de informações. Cabe destacar a combativa e eficiente atuação do Ministério Público do Trabalho, através do Projeto Nacional de Frigoríficos, que em 05/05/2020 conseguiu firmar um importante Termo de Ajustamento de Conduta –TAC – com o grupo GTFoods. Só a partir de então a empresa passou a tomar medidas mais eficientes de proteção aos trabalhadores. Depois dos casos se multiplicarem pela região noroeste e norte do estado, vimos diversos outros absurdos ocorrerem num curto espaço de tempo. Tivemos o emblemático caso da Avenorte, em Cianorte, onde o Prefeito é um dos donos da empresa e que simplesmente se negou a tratar com o órgão sindical as medidas de prevenção e contenção dos casos de COVID19. Na ocasião, o Presidente do sindicato – SINTRACIA – já denunciava que pelo número elevado de casos na planta e que pela característica peculiar da empresa, de ter a necessidade buscar mão-de-obra em diversos municípios da região, iria causar uma onda de casos de COVID19 nesses pequenos municípios. Não deu outra. Em junho já havia mais casos de COVID 19 entre os funcionários da Avenorte do que em toda cidade de Cianorte. (...)]

13-8-2020 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & China detectou o SARS-CoV-2 na carne de frango congelada [Fiscalização da cidade de Shenzhen, província de Guangdong, China, descobriu o novo coronavírus na superfície da carne de frango congeladas importada do Brasil]

10-8-2020 - G1 & Fábrica da BRF registra 1.138 casos de Covid-19 em trabalhadores, no Paraná [Número representa 29% dos casos confirmados do novo coronavírus em frigoríficos do estado, segundo autoridades de saúde; trabalhadores diagnosticados são de unidade em Toledo. Uma fábrica do Grupo BRF em Toledo, no oeste do Paraná, teve 1.138 casos confirmados de Covid-19, segundo autoridades de saúde do estado.O número representa cerca de 29% dos casos de Covid-19 em frigoríficos do Paraná. Ainda conforme os registros, outros cinco casos foram confirmados na unidade da companhia em Carambeí. As autoridades de saúde confirmaram um total de 3.979 casos de Covid-19 nos frigoríficos paranaenses, até o dia 24 de julho. "Embora a maioria das empresas tenha apresentado um plano de contingência para o enfrentamento do COVID-19, os casos continuam a crescer de forma bastante expressiva", disseram, em comunicado. Casos e mortes - A BRF, considerada maior exportadora de carne de frango do mundo, afirmou que "não há nenhum colaborador testado positivamente para Covid-19 trabalhando atualmente nas unidades de Toledo e Carambeí." (...)]

7-8-2020 - De olho nos ruralistas & Esplanada da Morte (VIII) — Por exportações, Tereza Cristina minimiza surtos em frigoríficos [Ministra da Agricultura diz que casos de Covid-19 no setor têm "reverberação maior que o fato"; desde o início da pandemia, oito matadouros foram fechados pela Justiça; casos podem chegar a 400 mil trabalhadores, entre eles indígenas de seu estado, o Mato Grosso do Sul. O que vale mais: um contêiner de carne refrigerada rumo à China ou a vida de um trabalhador e de sua família? Para o governo do presidente Jair Bolsonaro, a pergunta é quase retórica. Chefe da pasta responsável por fiscalizar a atuação dos frigoríficos e, consequentemente, garantir a saúde e a segurança dos empregados, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, minimiza o número de infectados e mortos por Covid-19. Os surtos afetaram centenas de plantas pelo interior do país, levando ao fechamento completo de oito unidades, por determinação da Justiça. Ela é a oitava entre os retratados na série Esplanada da Morte, que, desde o dia 28 de julho, retrata o papel de cada ministro (entre outros executivos do governo Bolsonaro) na proliferação da pandemia e de uma cultura de banalização da morte. Durante o seminário "A força do agronegócio na retomada da economia”, promovido pelo site Jota no dia 21 de julho, a ministra — ex-presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) — afirmou que o setor foi “um pouco afetado” pela pandemia por causa da saúde de seus funcionários, mas que a "reverberação às vezes é muito maior do que o fato". (...)]

 

 

6-8-2020 - The Intercept Brasil & JBS raciona máscaras para empregados após frigoríficos causarem surtos de Covid-19 [Funcionários da empresa tem que reutilizar máscaras molhadas por até cinco dias seguidos. ENTRE CARCAÇAS DE ANIMAIS e temperaturas de menos de 10 graus, os processos para tornar um pedaço de carne apto para o consumo envolvem muita umidade. Após oito horas de trabalho, é natural que as máscaras que os trabalhadores do setor frigorífico passaram a usar durante a pandemia de covid-19 fiquem encharcadas. Mesmo assim, em unidades da JBS de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul, funcionários são obrigados a reutilizar o equipamento por cinco dias. Tivemos a acesso com exclusividade a relatórios da fiscalização do Ministério Público do Trabalho e a relatos de trabalhadores que mostram como a multinacional prefere economizar nos equipamentos de proteção individual, os EPIs, a resguardar a saúde de seus funcionários. O uso contínuo das máscaras PFF2, modelo fornecido aos funcionários, contraria normas sanitárias nacionais e até mesmo o que indica o rótulo do produto, que deixa claro se tratar de uma máscara descartável, a ser usada por apenas um turno. (...)]

 

 

31-7-2020 - Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos Estaduais dos Serviços de Saúde e Previdência do Paraná (SindSaúde-PR) & Governo insiste em relaxamento de medidas sanitárias em frigoríficos na região de Cascavel [Apesar das indicações contrárias dos técnicos do Centro de Saúde do Trabalhador (CEST) da SESA, o governo estadual insiste em relaxar as exigências para o funcionamento de frigoríficos no Paraná, em especial na região de Cascavel, em pleno pico da pandemia da Covid-19. Sozinhos, os frigoríficos são responsáveis por mais de 3,2 mil casos confirmados da doença, o que corresponde a um total de aproximadamente 5% de todas as notificações no estado. Esse afrouxamento teve como ápice no último dia 16 de julho, com a revogação da Resolução 855/2020 da SESA, que previa medidas de prevenção. A decisão do governo é alvo de questionamento no Ministério Público. Embora Cascavel seja a quinta cidade mais populosa do Paraná, sua regional é a segunda em quantidade de contaminação no estado, com cerca de 6 mil casos confirmados, segundo boletim da Sesa publicado no dia 27. Entre junho e julho, teve um aumento de 39%. O município é o terceiro em mortes: 116. (...)]

31-7-2020 - Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical) &  [O Anffa Sindical protocolou, nesta quarta-feira (29/07), uma representação (veja aqui) ao procurador-geral da República e chefe do Ministério Público Federal, Augusto Aras, solicitando instauração de processo de controle concentrado de constitucionalidade, com adoção de outras medidas cabíveis, contra o decreto n. 10.419. A norma regulamenta a inspeção ante mortem e post mortem de animais nas plantas frigoríficas. Ao tratar das incongruências no decreto, o documento ressalta que a normativa pretende "institucionalizar uma equipe anômala de atuação no Serviço de Inspeção Federal (SIF), em que o AFFA com formação em medicina veterinária funcionaria como 'mero coordenador' e 'supervisor', sendo a equipe integrada por Agente de Inspeção Sanitária e Industrial de Produtos de Origem Animal (AISIPOA) ou ocupantes dos demais cargos efetivos de atividades técnicas de fiscalização agropecuária, respeitadas as devidas competências". O documento cita ainda a ilegalidade presente no ato da contratação de profissionais com formação veterinária por contrato temporário, o que fere a regra constitucional do serviço público e viola o caráter estratégico das atividades de fiscalização e inspeção, que são típicas de Estado. Tal prática coloca ainda em "risco as seguranças agropecuária e sanitária e, consequentemente, vulnera a garantia de zelo pela saúde pública". (...)]

27-7-2020 - Metrópoles & Virologista da Fiocruz alerta sobre potencial pandêmico de novo influenza [O vírus transmitido por porcos foi encontrado pela primeira vez no Paraná, em uma trabalhadora de um matadouro. A chefe do Laboratório de Vírus Respiratórios e Sarampo da Fundação Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), Marilda Siqueira disse que o "Brasil precisa estar alerta" para as consequências do vírus A H1N2, encontrado no estado do Paraná. (...) A virologista ressaltou que os influenza são altamente contagiosos e a população não tem imunidade contra eles. A equipe de Marilda busca por casos locais para descobrir o grau de risco do A H1N2. Os cientistas analisam 3 mil amostras de moradores de Ibiporã e Londrina que tiveram doença respiratória nos últimos meses que não foram diagnosticadas como Covid-19. (...)]

 

 

26-7-2020 - DW & Científicos descubren que el coronavirus se transmitió a 8 metros de distancia en una planta procesadora de carne [El estudio de un brote en la instalación reveló que las condiciones ideales para la transmisión del virus por aire a grandes distancias son: bajas temperaturas, ausencia de aire fresco y una fuerte ventilación. Científicos alemanes concluyeron que el coronavirus puede transmitirse a una distancia de más de 8 metros, según un comunicado del Instituto Helmholtz de Enfermedades Infecciosas de Alemania (HZI). Esta capacidad del virus letal se descubrió durante el brote de coronavirus en la planta procesadora de carne Tönnies en Renania del Norte-Westfalia, ocurrido en mayo y que se saldó con unas 1.500 personas infectadas. Un estudio conjunto del Instituto Helmholtz, el Centro Médico Universitario de Hamburgo-Eppendorf (UKE), el Instituto Heinrich-Pette y el Instituto Leibniz de Virología Experimental (HPI), reconstruyó los eventos de transmisión iniciales en mayo de 2020 y sus resultados fueron publicados en la plataforma SSRN. Se descubrió que el brote fue originado en un solo empleado, y de él se transmitió a varios trabajadores en un radio de más de ocho metros. La transmisión principal tuvo lugar en la sala de deshuese, con fuerte circulación de aire y una temperatura permanente de 10 ºC.  (...)]

 

 

24-7-2020 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Opinião da Direx: investimento de R$ 100 milhões por si só pode não ser capaz de manter as exportações [Indústria da carne e Covid-19: são os países importadores de produtos agrícolas que ditam as regras e não o contrário]

24-7-2020 - DW & Coronavírus pode ser transmitido em raio de oito metros, diz estudo [Pesquisadores analisam surto em frigorífico alemão e revelam que transmissão do vírus não depende apenas de proximidade social, mas também das condições do ambiente. Apenas um funcionário infectado transmitiu o novo coronavírus num raio de oito metros dentro do maior frigorífico da Alemanha, revelou um estudo divulgado nesta quinta-feira (23/07), que mapeou o surto de covid-19 que ocorreu no local. Em junho, mais de 1,4 mil funcionários do Tönnies, em Rheda-Wiedenbrück, na Renânia do Norte-Vestfália, testaram positivo para a doença. De acordo com os pesquisadores, as condições de trabalho no frigorífico tiveram um papel decisivo no surto. A principal transmissão ocorreu na região de corte, onde o ar circula a 10°C. Além disso, há pouca circulação de ar fresco no local. Essas características, somadas ao trabalho físico extenuante, teriam facilitado a propagação do vírus. "Sob essas condições, uma distância de 1,5 a três metros por si só, obviamente, não é suficiente para impedir a transmissão", afirmou Adam Frundhoff, um dos coautores do estudo realizado pelo Centro Helmholtz de Pesquisa de Infecções (HZI), de Braunschweig, em parceira com o Hospital Universitário de Hamburgo-Eppendorf (UKE) e o Instituto Leibniz para Virologia Experimental (HPI). (...)]

21-6-2020 - Revista Globo Rural & Covid-19 acende alerta mundial sobre produção e consumo de alimentos de origem animal [Especialistas são unânimes em dizer que as pessoas ficarão cada vez mais exigentes em relação à segurança sanitária dos produtos.A tormenta causada pelo novo coronavírus mudou o mundo repentinamente e, após o caos, um fato é dado como certo: as pessoas ao redor do planeta deverão adotar novos hábitos de consumo. E isso impactará a produção de alimentos, como já ocorreu durante a crise, quando as medidas restritivas impostas para conter o avanço da pandemia infectaram importantes canais de consumo do agro.Os especialistas são unânimes sobre o cenário pós-Covid-19: o mundo ficará mais cuidadoso com o que come, principalmente com as carnes. A demanda por informações sobre as condições sanitárias em que foi produzida a proteína animal tende a ocorrer até mesmo na China, principal cliente do mundo e epicentro da crise mais recente. (...)]

 

 

12-6-2020 - Brasil de Fato & Frigoríficos do Paraná são alvo do Ministério Público após mais de 100 contaminados [Órgão pede afastamento imediato e testagem em massa de trabalhadores da Coopavel. No Oeste do Paraná, os frigoríficos "são uma grande mola propulsora da proliferação da covid-19". A afirmação é do vereador Paulo Porto (PT), da cidade de Cascavel, onde o Ministério Público do Trabalho (MPT) ajuizou ação contra a Cooperativa Agroindustrial de Cascavel (Coopavel), proprietária dos frigoríficos Frialves e Frisuínos, no ultimo dia 5. Na ação, o MPT pede o afastamento imediato e remunerado de todos os empregados e trabalhadores terceirizados das unidades pelo prazo mínimo de 14 dias e a realização de testagem em massa custeada pela empresa. A ação vem após uma série de recomendações do MPT à Coopavel em meses anteriores, alertando para a necessidade de adequação dos frigoríficos a normas que garantissem a proteção da saúde dos trabalhadores ao coronavírus. As recomendações pediam levantamento de trabalhadores com doenças crônicas, afastamento por tempo adequado daqueles com suspeita de Covid-19, respeito ao distanciamento entre os trabalhadores, fornecimento de equipamentos de proteção individual e transporte particular da empresa, que garantisse o distanciamento no deslocamento. "A conduta da ré se configura como gravíssima. [...] Hoje a ré possui o estarrecedor número de 118 casos de trabalhadores contaminados, sendo o segundo frigorífico em número de Covid positivo no Paraná", afirma o MPT na ação. (...)"]

10-6-2020 - OutrasPalavras & Indústria da carne: por que automatizar não é a solução [Altíssima densidade humana em frigoríficos, para aumentar produção, ajudou a espalhar covid-19. Mas substituir trabalhadores não resolverá. Reduzir o perigo à saúde exige diminuir consumo de animais e fazer transformação profunda no sistema. De todas as mudanças que a atual pandemia vai trazer para a vida social, a mais urgente e difícil de ser enfrentada refere-se a nossos hábitos alimentares e, particularmente, ao consumo de carne. É um setor que se apoia na densidade de pessoas que operam o abate e o processamento dos animais. E, também, na densidade dos animais nas fazendas e granjas, em espaços cada vez menores. Essas duas densidades articulam-se organicamente. As fábricas se rentabilizam à medida que aumentam sua capacidade de processamento de animais, abatidos em unidades cada vez maiores. O número de porcos criados, nos Estados Unidos, em fazendas com mais de cinco mil animais, passou de 5% em 1982 para 73% em 2017. O processamento da carne é feito em fábricas caracterizadas pelo ambiente frio, fechado e pela proximidade que os trabalhadores guardam entre si, para que a linha de produção possa avançar com rapidez. Nos anos 1970, uma fábrica padrão processava 3.000 frangos por hora. Em 1980, o total passa a processar 8.000 animais, chegando hoje a 15 mil aves por hora. (...)]

5-6-2020 - UOL & Um setor infectado: propostas para as doenças do sistema agroalimentar... - Veja mais em https://tab.uol.com.br/colunas/ricardo-abramovay/2020/06/05/trabalhadores-infectados-para-que-a-carne-chegue-a-sua-mesa.htm?cmpid=copiaecola

 

 

5-6-2020 - Brasil de Fato & Cascavel é cidade do PR com maior crescimento dos números de covid-19, diz pesquisa [Com 468 casos e 9 óbitos, a cidade está com 90% de ocupação dos leitos de UTI; só no frigorífico Coopavel, são 53 casos. (...) Frigoríficos - Outro problema apontado pelo vereador são os frigoríficos. "Somente a Coopavel possui hoje 53 funcionários contaminados", conta. Enquadrados como serviços essenciais, empresas que processam carnes mantêm o funcionamento durante a quarentena e seus ambientes são propícios à disseminação do vírus por serem fechados, com baixas temperaturas, umidade e diversos postos de trabalho sem o distanciamento mínimo de segurança. (...)]

2-6-2020 - Uol & MPT: 1/3 dos casos de coronavírus no RS são de emprgados de frigoríficos [Os trabalhadores de frigoríficos correspondem a 34% do total de casos oficiais de coronavírus no Rio Grande do Sul. Ao todo, 3.201 funcionários de 24 unidades, localizadas em 18 municípios, testaram positivo para a doença, segundo levantamento do Ministério Público do Trabalho (MPT-RS). No estado foram registrados até ontem 9.332 casos oficiais e 224 mortes. Segundo a procuradora do MPT Priscila Dibi Schvarcz, os 28 municípios do estado com maior índice de casos por 100 mil habitantes são sedes de frigoríficos ou abrigam moradia de trabalhadores do setor. Na lista constam 13 empresas, entre elas a BRF, dona da Sabia e da Perdigão, e JBS, da Friboi. (...)]

 

 

30-5-2020 - South China Morning Post & The next pandemic might come from a factory farm in China or the US. Is the world prepared? [Modern intensive farming could well be a cause of future pandemics. As the world’s appetite for meat grows, the food industry is contributing to the overuse of antibiotics, and turbocharging the spread of antibiotic-resistant diseases. It should come as no surprise that a burger-lover like President Donald Trump has declared the United States’ crisis-hit meat industry as "critical infrastructure". More than 10,000 workers at 170 meatpacking plants have fallen victim to Covid-19, and many plants have temporarily shut. The meat giant Tyson Foods has warned that the US "food supply chain is breaking". But as the global pandemic puts in jeopardy America’s supply of steaks and burgers, those iconic American dietary birthrights, so Trump’s meat industry crisis might, for many in the world, be a welcome warning of the fundamental unsustainability of the meat industry worldwide.While the Covid-19 pandemic may have been linked to a squalid wildlife and seafood market in Wuhan, in central China, we should not forget that the 1918 Spanish flu pandemic is thought to have originated in pig farms. Modern intensive farming is less a victim of the present global pandemic than the likely cause of future pandemics. And, as concentrated animal feeding operations at the heart of modern intensive farming play a critical role in the propagation of zoonotic diseases – those spread from animals to humans – perhaps even more important is their role in the mass consumption of antibiotics, which has turbocharged the spread of diseases that are now resistant to antibiotics. Humans today consume less than a quarter of all the antibiotics produced and sold. Over three-quarters are produced for the meat industry, in particular in China, the US and Brazil, for two main reasons: for metaphylaxis, to enable farm animals to survive their brief but drab lives in industry-scale farms; and to fatten them up faster, so they can reach slaughter weight more quickly and profitably. (...)]

 

 

27-5-2020 - Pig Progress & Pork plant workers in Brazil infected with Covid-19 [In various states in Brazil pig and poultry slaughterhouses are among the places where Covid-19 has proved to be prevalent. In that sense, the situation is comparable to North America and Europe. So far, no pigs had to be euthanised. (...) Paraná state: pork production reduced - In some cases, detailed information about whether pig or poultry plants were affected is currently still missing. It is certain that in Paraná state, the cooperative Frimesa had to reduce pork production by 20% due to Covid-19 infections. For these reductions, however, a solution could be found as no pigs had to be culled. In addition, GTFoods had to suspend its operations on poultry production for 14 days. (...)]

 

 

27-5-2020 - RFI & Covid-19 chega à zona rural dos EUA e afeta cadeia de alimentos [Depois de causar dezenas de milhares de mortes nos grandes centros urbanos dos Estados Unidos, a Covid-19 está tendo um surto nas regiões rurais americanas. Além de trazer mortes para essas comunidades carentes em infraestrutura, a pandemia também acaba por afetar a cadeia de suprimentos e o consumidor americano. (...) Animais sacrificados e profissionais sob risco - A indústria de processamento de carne de US$ 185 bilhões de dólares tem sofrido com a pandemia. Os abatedouros de carne bovina e suína viram sua capacidade cair em cerca de 40%, com muitos animais tendo de ser sacrificados. Muitos frigoríficos fecharam, o que fez com que faltasse carne nos supermercados. Mais de 11 mil casos de Covid-19 e 63 mortes foram registradas nas principais empresas do setor, que inclui a JBS dos EUA, que é uma empresa subsidiária integral da brasileira JBS S.A. No final de abril, Donald Trump declarou que os frigoríficos faziam parte de uma “infraestrutura crítica” e ofereceu uma certa proteção a essas empresas contra possíveis processos e, assim, diversos frigoríficos voltaram às operações. Isso fez com que os sindicatos que representam os funcionários dessas empresas se manifestassem com força dizendo que o presidente americano tinha dado “carta branca” aos frigoríficos. As empresas implementaram diversas medidas de segurança, como telas protetoras entre os trabalhadores e passaram a oferecer incentivos financeiros aos trabalhadores dispostos a retornar às instalações.  (...)]

26-5-2020 - BBN News Brasil & Coronavírus: frigoríficos concentram um terço dos casos de covid-19 no RS, diz Ministério Público do Trabalho [O Ministério Público do Trabalho (MPT) contabiliza 2.079 casos confirmados de contaminação pelo novo coronavírus entre trabalhadores de 21 frigoríficos distribuídos por 16 municípios do Rio Grande do Sul. O número equivale a 32,1% dos 6.470 casos contabilizados pela Secretaria da Saúde do Estado até a tarde desta segunda-feira (25). O número total de trabalhadores nas 21 unidades é de 24.488, incluindo os que testaram positivo. Esse montante, por sua vez, equivale a quase 40% da mão de obra do setor no Rio Grande do Sul, que emprega cerca de 65 mil pessoas. Juntamente com o oeste de Santa Catarina, o Estado concentra o maior número de casos de covid-19 em frigoríficos no Brasil. "Esses são os mais recentes dados que possuímos, sobretudo em razão de grandes testagens em alguns frigoríficos", afirma a procuradora do Trabalho Priscila Schvarcz, gerente nacional adjunta da força-tarefa do MPT para adequação das condições de trabalho em frigoríficos. Ela atribui o alto índice de contaminação ao funcionamento das unidades, com mão de obra intensiva, aglomeração no transporte e trocas de turno e ambientes refrigerados. (...)]

 

 

25-5-2020 - BBC News Brasil & Trabalhadores de frigoríficos somam um terço de casos de covid-2019 no RS, segundo MPT [O Ministério Público do Trabalho (MPT) contabiliza 2.079 casos confirmados de contaminação pelo novo coronavírus entre trabalhadores de 21 frigoríficos distribuídos por 16 municípios do Rio Grande do Sul]

25-5-2020 - OutrasPalavras & Como frigoríficos destroçam os trabalhadores [Mais de 60 unidades são investigadas por desrespeitar protocolos de prevenção — e disseminar a covid-19. Gigantes como JBS e BRF (antiga Sadia) aglomeram até mil funcionários em ambientes fechados e sem distanciamento mínimo. (...) Nesse contexto geral, chama atenção o caso dos trabalhadores da indústria de processamento de carnes, que têm grande peso, tanto na matriz industrial do Brasil, quanto na de Santa Catarina. O Brasil é o maior produtor de carnes bovina, o primeiro exportador, e vende carne de frango para mais de 150 países. Em Santa Catarina, que é o segundo maior produtor de carne de frango do país, o setor tem grande peso no volume de produção, empregos, exportações, etc. O primeiro produto exportado por Santa Catarina no ano passado foi carnes de aves, que representou 24,13% da pauta exportadora; o segundo foi carne suína, com participação de 8,1% na pauta. Boa parte desse produto é exportado in natura, sem processamento industrial (coisa de país subdesenvolvido, registre-se). A indústria de carnes é um setor essencial, que não "pode parar", já que, com pandemia ou não, os alimentos têm que ser produzidos e processados industrialmente. Pelas características do processo de trabalho, que é intensivo em mão de obra, o risco de contaminação dos trabalhadores desse setor, pela covid-19, é muito grande. Não por acaso, mais de 60 frigoríficos em 11 estados do país estão sendo investigados pelo poder público neste período de pandemia, em função da falta de condições adequadas de prevenção à doença. Deve ser o setor da indústria de transformação com maior incidência de contaminação. (...)]

 

 

24-5-2020 - Globo Rural & Coronavírus afeta funcionamento de frigoríficos e abates de emergência podem começar [Associação de empresas diz que setor está se organizando para evitar descartes e desabastecimento, mas federação de trabalhadores agrícolas do RS afirma que já existem animais que deveriam ter sido entregues aos frigoríficos há 15 dias.O Ministério Público do Trabalho informou que 21 frigoríficos tiveram casos confirmados de coronavírus no Brasil. O surto causou restrições de funcionamento em quatro unidades, duas delas em Lajeado, no Rio Grande do Sul. Ambas funcionam com metade da capacidade de processamento, para cumprir exigências para redução de contágio, acordadas com a Justiça.Carlos Senter, de Nova Bréscia, por exemplo, tem 100 mil frangos completando o ciclo de criação nesta semana, mas não sabe se serão recolhidos para abate no prazo."Tem lotes que já deveriam ter saído das granjas 15 dias atrás", afirmou Carlos Joel da Silva, presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag-RS). "Por outro lado, muitos galpões estão vazios porque a empresa não alojou novos lotes." (...)]

 

 

22-5-2020 - G1 & Cinquenta funcionários de frigorífico de cidade com maior incidência de covid testam positivo: 'Sem sintomas' [Segundo o secretário municipal de Saúde de Guia Lopes da Laguna, Marcelo Gonçalves, alguns destes trabalhadores já tinham sido testado no início do mês e continuaram com o resultado positivo para a infecção. Cinquentafuncionários do frigorífico de Guia Lopes da Laguna, município com maior incidência de covid-19 em Mato Grosso do Sultestaram positivo para a doença. "Eles não apresentavam nenhum sintoma", disse o secretário de Saúde da cidade, Marcelo Gonçalves, em entrevista ao Bom Dia MS nesta sexta-feira (22). (...)]

22-5-2020 - Editora Elefante [Publicado no UOL Tab] & O sistema alimentar mundial está doente [A criação de animais em grande escala guarda as características mais marcantes da era industrial, no qual conhecimento, inteligência e informação em nada contribuem para reduzir sua inflexibilidade, o que o torna especialmente suscetível a crises como a que estamos vivendo. Metade dos 25 condados com maior incidência per capita de contaminação por Sars-Cov-2 nos EUA são dominados por grandes unidades de abate e processamento de carne de gado, de porcos e de aves. O setor já tinha um passivo de dez mil infectados e trinta mortos até o início de maio. Cerca de trezentos inspetores federais contraíram a doença até meados de maio. Trinta plantas suspenderam as operações no país. Dez milhões de aves já foram abatidas por afogamento, tiros ou produtos tóxicos. Um quarto da capacidade norte-americana de abate e processamento de porcos já fechou. Em diversas cidades da maior potência agrícola do mundo, falta carne nos supermercados. O desperdício e o trauma seriam dificilmente imagináveis algumas semanas atrás. Mas a destruição não atinge apenas os EUA. Só num grande frigorífico do estado alemão da Renânia do Norte-Vestfália, 205 trabalhadores (quase todos romenos, búlgaros ou poloneses) estão contaminados. Na França os frigoríficos também se tornaram focos de propagação da pandemia. E no Brasil? No início desta semana, auditores fiscais do trabalho interditaram uma unidade de processamento da JBS em Ipumirim, em Santa Catarina: há informações de que 5% dos 1.500 funcionários trabalhando naquela unidade tiveram resultado positivo para a doença. No Rio Grande do Sul, já há 495 casos confirmados e, como os trabalhadores muitas vezes não moram próximo aos frigoríficos, a contaminação já atinge dezesseis municípios. É claro que em todo o mundo, e no Brasil não é diferente, as empresas se apressam em adotar medidas mitigadoras, na tentativa de cumprir as legislações locais e evitar a disseminação da doença. (...)]

21-5-2020 - Brasil de Fato & Frigoríficos reabrem no Rio Grande do Sul após acordo no MP; sindicato critica medida [Foram reabertos os frigoríficos BRF e Minuano, em Lajeado, terceiro município com mais casos da doença no estado. Os frigoríficos BRF e Minuano, ambos de Lajeado, retornarão às atividades, mas a saúde e a vida de seus trabalhadores permanecerão desprotegidas. É o que entende a Central Única dos Trabalhadores no Rio Grande do Sul (CUT/RS) após analisar os acordos firmados entre as duas unidades de processamento de carnes e o Ministério Público estadual (MP/RS). Os dois abatedouros foram interditados após surtos de covid-19.  Situado no Vale do Taquari, Lajeado é o terceiro município com mais casos da doença no Rio Grande do Sul, com 243 confirmados e 15 óbitos. "Além de não dialogar com os representantes dos funcionários, as medidas previstas nos acordos não impedem a aglomeração na linha de produção dos frigoríficos, permanecendo o alto risco de contágio", criticou o secretário de Políticas Sociais da CUT-RS, Reginaldo Rodrigues. Para ele, "o que pode evitar a disseminação do coronavírus é a implantação de três turnos de trabalho, cada um com seis horas de duração, como forma de reduzir o contato entre quem lá trabalha". (...)]

21-5-2020 - G1 & Frigorífico de município com incidência mais alta de covid-19 em MS testa funcionários para retomar atividades [251 funcionários de frigorífico em Guia Lopes da Laguna passaram por testes de coronavírus na manhã desta quinta-feira (21).Empresa estava fechada desde o último dia 8, quando 5 funcionários foram diagnosticados com covid-19. O frigorífico de Guia Lopes da Laguna, município no sudoeste de Mato Grosso do Sul com maior incidência de coronavírus no estado, se prepara para retomar as atividades. Fechado desde o último dia 8, após cinco funcionários testarem positivo para covid-19, a empresa pretende voltar aos trabalhos, com restrições, a partir desta sexta-feira (22). (...)]

19-5-2020 - The Pig Site & Brazil's BRF told to test all workers in Santa Catarina plants for COVID-19 [Brazilian meat processor BRF SA has been told by Santa Catarina state health authorities to reinforce COVID-19 containment measures. According to reporting in ReutersBRF has been told to reinforce measures to contain the spread of the novel coronavirus on production units in Santa Catarina state.These measures include testing all workers at BRF's Concórdia plant, which processes pork and poultry and is the company's biggest in the state by number of employees, around 5,000, a press representative told Reuters. (...)]

 

 

19-5-2020 - Vox & Why meatpacking plants have become coronavirus hot spots [Meatpacking facilities are inherently susceptible to Covid-19 outbreaks. Meatpacking plants have unexpectedly become the epicenters of coronavirus outbreaks in rural communities, putting workers and their neighbors in peril and slowing meat production across the country. Almost 5,000 plant workers across 19 states had tested positive for the virus as of April 27, according to the Centers for Disease Control and Prevention (CDC), and based on anecdotal reports in local media, the virus has since continued to spread in the facilities. At least 20 workers have died. Some 22 plants consequently closed. President Donald Trump nevertheless ordered the plants to stay open or reopen last month, and Bloomberg reported that infections have since risen in counties near large meatpacking facilities at more than twice the national rate. Communities in rural Texas and Nebraska have been particularly hard-hit. (...)]

19-5-2020 - Brasil de Fato & Superintendência do Trabalho interdita indústria de aves Guaraves, na Paraíba [Fiscais fizeram testes rápidos e identificaram ao menos 49 funcionários com covid-19; Alpargatas também está na mira. A Superintendência Regional do Trabalho na Paraíba interditou, nesta terça-feira (19), a indústria de aves Guaraves, localizada na cidade de Guarabira, na Paraíba, após realizar testes rápidos para covid-19 com 200 funcionários e dar diagnóstico positivo para 49 desses profissionais. A indústria possui 1.200 trabalhadores. Os testes foram feitos um dia antes (18) por fiscais do trabalho. Segundo a Superintendência, a empresa estava descumprindo normas de proteção exigidas para conter a propagação do novo coronavírus. "Um empregado contaminado tem potencial para contaminar diversos outros trabalhadores e seus contactantes. Nesse sentido, não podemos deixar de exigir, com maior rigor ainda, o cumprimento das normas de proteção adequadas", afirmou Ana Mércia Vieira Fernandes, chefe da SST da Superintendência Regional do Trabalho na Paraíba. A fiscalização constatou que os trabalhadores não estavam utilizando os equipamentos de proteção individual necessários à segurança exigida para o momento. "A empresa não estava adotando algumas regras de higienização recomendadas, bem como faltavam aspectos básicos de cumprimento do distanciamento necessário entre os trabalhadores, na atividade", afirmou Nei Alexandre, auditor fiscal do Trabalho. (...)]

 

 

18-5-2020 - The Pig Site & US government issues COVID-19 guidance for pork industry [The US Department of Justice Antitrust Division provides guidance for collaboration among US hog farmers meeting the challenges of the coronavirus pandemic. The favourable decision is in response to a "business review" letter submitted to the DOJ by the National Pork Producers Council seeking permission to allow hog farmers greater flexibility in working to maximise the number of hogs entering the food supply, minimise the tragic need to euthanise hogs, and, facilitate the safe and orderly euthanisation of those hogs which are not able to enter the food supply. COVID-related pork packing plant closures and slowdowns have caused a severe back-up of pigs on farms. Overcrowding impacts pigs' ability to rest comfortably and may result in aggression and injuries. Maintaining air quality and temperatures that keep animals comfortable is also challenged. To prevent animal suffering, farmers are being forced to euthanise animals. "Our goal is to efficiently process as many hogs as possible into the food supply," said Howard "AV" Roth, NPPC president and a hog farmer from Wauzeka, Wisconsin. "Appropriate collaboration across the industry and with state and federal government officials will minimise the number of pigs that must be euthanised and ensure that it is handled humanely, and that disposal is environmentally sound." Following is an example of the type of productive industry collaboration NPPC cited in its letter to the DOJ: (...)]

18-5-2020 - GlobalMeat News & Danish Crown closes Southern Jutland slaughterhouse [Pork processor Danish Crown temporarily closed its Skærbæk slaughterhouse in Southern Jutland following the confirmation of coronavirus among sfatt at its main customer Westcrown]

18-5-2020 - Pig Progress & Covid-19: German pork plants test negative; fears in Italy [New tests in German pig slaughterhouses indicate that there are no further infections with Covid-19. In the meantime, worries in Italy increase. The outcome of the tests is good news for Germany’s pig industry, because over the last few weeks, prices have come down because of a reduced slaughter capacity. The situation, however, is not as bad as in the United States, where an acute shortage or slaughter capacity led to pork producers euthanising finisher pigs or aborting gestating sows, in an attempt to deal with overcrowded pens. (...)]

15-5-2020 - The Guardian & US coronavirus hotspots linked to meat processing plants [Almost half the current Covid-19 hotspots in the US are linked to meat processing plants where poultry, pigs and cattle are slaughtered and packaged, which has led to the virus spiking in many small towns and prompted calls for urgent reforms to an industry beset by health and safety problems.At least 12 of the 25 hotspots in the US – counties with the highest per-capita infection rates – originated in meat factories where employees work side by side in cramped conditions, according to an analysis by the Guardian. In Nebraska, five counties have outbreaks linked to meat plants including Dakota county, where about one of every 14 residents has tested positive – the second-highest per capita infection rate in the US. As of Thursday, the Nebraska counties of Dakota, Hall, Dawson, Saline, and Colfax accounted for almost half the state’s 9,075 positive cases, according to data tracking by the New York Times. (...)]

 

 

15-5-2020 - Reuters & UPDATE 1-BRF's coronavirus-hit chicken, pork plant in Brazil to reopen ahead of schedule [Operations at a Brazilian chicken and pork plant owned by BRF SA are expected to gradually resume starting on Friday, about a week ahead of schedule, after a shutdown due to a novel coronavirus outbreak, the company and an industry group said. (...) BRF, the world’s largest chicken exporter, later confirmed in a statement to Reuters that it had reached an agreement with local officials to reopen the plant, which was one of only two such facilities closed due to coronavirus outbreaks in Brazil. The company’s plant was ordered by a municipal court on May 8 to close for 15 days, and BRF said it made a series of commitments in order to obtain permission to resume operations. The company has agreed to test all its workers at the plant for COVID-19, the respiratory illness caused by the coronavirus, within 15 days and to forward those results immediately to Lajeado’s health authorities, according to a statement from the officials who negotiated the agreement. (...)]

14-5-2020 - RT & La carne se convierte en un alimento para ricos en EE.UU. a causa de la pandemia [En medio del cierrre de plantas y de la reducción de la producción de carne convencional, las variedades orgánicas o de razas especiales experimentan un auge. La pandemia del coronavirus en EE.UU. ha reducido la capacidad de los productores de carne del país y ha transformado la oferta de productos cárnicos. Muchos comercios experimentan un déficit de carne, al tiempo que abundan variedades especiales destinadas a aquellos con un mayor poder adquisitivo, informa Bloomberg. Así, la producción de variedades de lujo como la carne de cerdo de raza, de res alimentada con pasto y el pollo de campo han experimentado un alza, mientras que las megaplantas operadas por Tyson Foods y Cargill producen un 40 % menos de carne de res y cerdo convencional. La causa de este desequilibrio puede estar en el golpe que ha asestado la crisis sanitaria a los trabajadores de estas fábricas, que a menudo provienen de familias de bajos recursos. Alrededor del 44 % de ellos son hispanos, mientras que una cuarta parte son afroamericanos, dos de los grupos demográficos más vulnerables ante el coronavirus. Al menos 30 trabajadores del sector han muerto por coronavirus y más de 10.000 han sido infectados o expuestos al contagio en el país, según la Unión Internacional de Trabajadores del Comercio y de Alimentos, que señala que una treintena de fábricas han cerrado en algún momento en los últimos dos meses. La mayor parte de esos cierres se produjo en plantas de gran tamaño. (...)]

13-5-2020 - GlobalMeat News & Warning on 'high-risk nature' of meatpacking after COVID-19 clusters emerge [Fresh warning have been issued over the 'high-risk nature' of meat and poultry operations after news of fresh cases of COVID-19 - including one death - at meat companies in Northern Ireland emerged this week]

13-5-2020 - Eater & It's Still the Jungle Out There [More than a century after Upton Sinclair's novel about exploitation in America's meat industry, the coronavirus has revealed how little meatpacking has changed. (...) BBlackBlack Hawk County Sheriff Tony Thompson left the Tyson pork processing plant in Waterloo, Iowa, in disgust. On April 10, after receiving complaints from workers and community members, he and local health officials inspected the facility, which is responsible for about 5 percent of total U.S. pork production, according to industry estimates. "We walked out of that plant tour knowing those complaints were valid," says Thompson, who is also chair of the Black Hawk Emergency Management Commission. "They had a huge problem." (...)]

13-5-2020 - Bloomberg & There’s Plenty of Meat in America — For Those Who Can Afford It [While many regular American grocers are running out of meat, specialty food producers have plentiful supplies -- for those who can afford it. Production of luxe varieties like heritage pork, grass-fed beef and Amish-raised chicken are expanding at a time when coronavirus outbreaks at mammoth plants operated by Tyson Foods Inc. and Cargill Inc. have wiped out about 40% of conventional U.S. beef and pork capacity in recent weeks. So while lower-income consumers are finding meat hard to come by -- with Kroger Co. and Costco Wholesale Corp. rationing purchases -- richer Americans have their pick of fancy offerings that often cost twice as much, or more. (...)]

 

 

 

13-5-2020 - BBC News Brasil & Coronavírus: o avanço silencioso da covid-19 em frigoríficos do Brasil [O Rio Grande do Sul registrou surtos de covid-19 em pelo menos 12 frigoríficos. Já são quase 250 casos confirmados entre funcionários e cerca de 20 mil trabalhadores expostos, segundo o último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde.O rápido aumento de infecções preocupa as autoridades de saúde porque este é um segmento intensivo em mão de obra - e sua própria estrutura operacional favorece a disseminação do novo coronavírus. O setor emprega 65 mil pessoas no Estado, calcula a procuradora do trabalho Priscila Dibi Schvarcz, que coordena o Projeto de Adequação das Condições de Trabalho nos Frigoríficos. Por estar incluído na lista de atividades essenciais, ele não foi obrigado pelos decretos de quarentena a suspender os trabalhos. (...)]

 

 

11-5-2020 - DW & Casos de covid-19 escancaram exploração de trabalhadores em frigoríficos alemães [Abatedouros da Alemanha registram centenas de casos de coronavírus em trabalhadores estrangeiros, entre eles muitos romenos e búlgaros. Casos levantam discussão sobre péssimas condições de alojamento e de proteção social]

11-5-2020 - G1 & Governo orienta frigoríficos a fazer 'busca ativa' por casos de Covid-19 e a afastar trabalhadores com sintomas [Manual com 72 orientações foi elaborado com o objetivo de conter a disseminação do novo coronavírus no ambiente de trabalho. Na linha de produção, orientação é colocar barreiras físicas.O Ministério da Agricultura divulgou nesta segunda-feira (11) um manual para orientar os frigoríficos do país a atuarem diante da pandemia do novo coronavírus. Entre as medidas propostas estão o monitoramento todos os casos de Covid-19 entre seus trabalhadores e o afastamento, por pelo menos 14 dias, daqueles que apresentarem sintomas da doença. O manual conta com 72 orientações. As medidas foram elaboradas conjuntamente, pelos ministérios da Economia, Agricultura e Saúde na última quinta-feira (7). A íntegra do manual pode ser acessada no site do Ministério da Agricultura.Na sexta-feira (8), o G1 mostrou que mais de 60 frigoríficos em 11 estados do país estão na mira do Ministério Público do Trabalho (MPT) por conta do combate à pandemia do novo coronavírus. Nos Estados Unidos, os frigoríficos se tornaram um dos focos da doença]

11-5-2020 - DW & Coronavirus breaks out in third German slaughterhouse [A slaughterhouse in the western city of Bochum has identified at least 22 coronavirus infections among its employees. Over 200 employees at another abattoir nearby have tested positive for the deadly virus]

8-5-2020 - Pig Progress & Covid-19: US pig markets still suffer; Europe feels effects too [The pig industry in the US and Canada continues to feel the effects of Covid-19 and the pressure on packing plants. European pig processing plants also feel the effects of the virus more strongly] 

8-5-2020 - G1 & Ministério Público do Trabalho investiga controle da Covid-19 entre funcionários de 61 frigoríficos em 11 estados [Procuradores querem saber se empresas seguem as orientações das autoridades de saúde; locais costumam reunir centenas de trabalhadores nas linhas de produção, o que facilita a propagação do coronavírus. G1 acompanhou problemas em 17 unidades de 5 estados]

8-5-2020 - DW & Coronavirus outbreak closes German meat-packing plant [Days after Germany readied to ease coronavirus restrictions, three districts saw outbreaks that will delay reopening. After COVID-19 infections at slaughterhouses, two states will test all meat-processing workers]

8-5-2020 - Brasil de Fato & Foco de covid-19, frigoríficos com milhares de trabalhadores são interditados no RS [Medidas exigem que fábricas cumpram regras sanitárias para não colocar em risco a saúde de toda a população. Diversos frigoríficos no Rio Grande do Sul apresentaram surto de covid-19 entre seus trabalhadores. Esta semana, dois deles foram interditados: o frigorífico Nicolini, de Garibaldi, na Serra Gaúcha; e o o frigorífico JBS, em Passo Fundo, região do Planalto Médio. Nessa quinta-feira (7), a Prefeitura de Passo Fundo (RS) interditou por 15 dias todas as atividades do frigorífico JBS que funciona no município, devido a registros de casos do novo coronavírus na unidade. O local já havia sido interditado pela Justiça do Trabalho no dia 24 de abril e a retomada das atividades estava prevista para este sábado (9). Em nota divulgada no site da Prefeitura, as autoridades municipais afirmam que e interdição cautelar "é fundamentada no entendimento da Vigilância em Saúde do Município de que foram desrespeitadas regras sanitárias e epidemiológicas, o que pode colocar em risco a saúde de toda a população". "A empresa deveria providenciar monitoramento de todos os trabalhadores afastados, o que não teria ocorrido", diz trecho da nota. (...)]

28-4-2020 - Brasil de Fato & Covid-19: com aumento de infectados, frigoríficos são os novos focos no Sul [Centro de Operações de Emergência da Secretaria Estadual da Saúde do RS está monitorando dez empresas do setor. Depois da unidade da JBF ser interditada em Passo Fundo, região do Planalto Médio, surgiram mais focos da covid-19 em frigoríficos das cidades de Marau, Lajeado e Garibaldi. Chama a atenção que Passo Fundo, Lajeado e Marau sejam, logo abaixo da capital, as cidades com maior incidência de casos de infecção por coronavírus no Rio Grande do Sul. Passo Fundo ocupa o segundo lugar com 103 contaminações e 11 mortes; Lajeado é o terceiro com 63 casos e um óbito e Marau é o quarto com 49 casos e uma morte. Passo Fundo é apenas a 12ª cidade gaúcha mais populosa, enquanto Lajeado ocupa a 21ª posição e Marau, a 49ª. Ainda hoje (28), o governo estadual deve publicar portaria exigindo dos frigoríficos protocolos de limpeza, distanciamento social, afastamento de empregados com sintomas de gripe, entre outras normas. Quem não cumpri-las estaria sujeito a penalidades, inclusive interdição. O Centro de Operações de Emergência (COE) da Secretaria Estadual da Saúde está monitorando dez empresas do setor. São indústrias que empregam, com frequência, mais de mil funcionários e que podem impulsionar a epidemia se não houver rigor nos cuidados. (...)]

 

 

27-4-2020 - Associação dos Fiscais Agropecuários do Rio Grande do Sul (Afagro) & Covid-19: Afagro solicita medidas diferenciadas nos frigoríficos [Frente à pandemia do coronavírus, a Associação dos Fiscais Agropecuários do Rio Grande do Sul (Afagro) solicitou providências no que diz respeito à adoção de medidas para as atividades industriais fiscalizadas pela Divisão de Inspeção de Produtos de Origem Animal (DIPOA) da Secretaria da Agricultura (Seapdr). A preocupação da entidade leva em consideração não somente a saúde dos servidores que atuam nas plantas, mas também a saúde dos colaboradores das empresas e o abastecimento seguro à população gaúcha. (...)]

26-4-2020 - GaúchaZH & Fiscais agropecuários do RS pedem procedimento padrão em frigoríficos [Solicitação está em documento encaminhado à Secretaria da Agricultura, responsável pelas unidades com inspeção estadual]

23-4-2020 - UOL & Fábrica da JBS em Passo Fundo tem surto de coronavírus; MPT investiga 

 

 

22-4-2020 - G1 & A remota processadora de carne de porco nos EUA que se tornou o maior foco de covid-19 no país [Unidade com 3,7 mil funcionários em Sioux Falls, no Estado de Dakota do Sul, da Smithfield Foods, maior produtor de carne de porco do mundo, teve mais de 600 casos confirmados do vírus; mas por quê?]

22-4-2020 - Food & Water Watch & Fact-Checking Smithfield's BS About Food Shortages During Coronavirus Shutdowns [Big Ag's biggest players benefit from making consumers think a food shortage is imminent if they're made to shut down. Here are the facts. A local Sioux Falls, South Dakota newspaper recently ran a heart-wrenching story about the first Smithfield worker to die of COVID-19. Louisa County, Iowa, home of Tyson Foods' Columbus Junction processing plant, is now 10th in the country in the number of COVID-19 cases per resident; the plant has reported 140 cases among workers. Dozens of packing plants and slaughterhouses across the country are now closed due to the virus which has spread rapidly among workers. (...)]

 

 

22-4-2020 - BBC News & A história por trás do maior foco de coronavírus nos EUA [Em uma fábrica de processamento de carne de porco em Dakota do Sul, o surto do coronavírus se espalhou na velocidade de um incêndio florestal, levantando dúvidas sobre o que a empresa fez para proteger os trabalhadores] 

 

 

21-4-2020 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Pandemia de covid-19 prejudica a indústria pecuária estadunidense [A disseminação do vírus da covid-19 já infectou centenas de trabalhadores da indústria pecuária dos EUA e o fechamento de frigoríficos colocam esse país "perigosamente perto" de um déficit alimentar]

 

 

20-4-2020 - Food & Water Watch & Group Calls for Immediate Closure of All Slaughterhouses with Coronavirus Presence and National Guard Mobilization to Support Food Distribution [Pandemic shows cracks in our badly broken food system; growers need intervention to help redirect supplies where USDA and industry are failing. In response to the coronavirus spreading rapidly through the meat industry, the national advocacy organization Food & Water Action is calling for the complete and immediate shutdown of all slaughterhouses where the coronavirus has appeared - in employees, on-site inspectors, etc. - in order to prevent the wider spread of the virus in the industry and a much greater disruption of the food supply chain in days and weeks to come. Employees should continue to be compensated for the duration of plant closures. Additionally, Food & Water Action is calling on governors and the federal government to mobilize the National Guard to help redistribute existing food supplies and stockpiles as the virus sweeps across the country and concerns about access to food grow. (...)]

 

 

18-4-2020 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & USDA e indústria pecuária dos EUA negligenciam os trabalhadores da indústria da carne [Food & Water Watch: o Departamento de Agricultura (USDA) e a indústria pecuária dos EUA negligenciam os trabalhadores que garantem o suprimento alimentar dos estadunidenses e isso prejudicará o fornecimento de carne nesse país]

 

 

18-4-2020 - RT & Bloomberg alerta sobre la escasez de café en el mundo por el coronavirus [Es posible que no haya trabajadores suficientes para recolectar los granos de café de las próximas cosechas en medio de las restricciones impuestas por el nuevo coronavirus, el cierre de los bancos, las jornadas laborales reducidas y el miedo al contagio en las granjas, reporta Bloomberg, mencionando que la presión se siente aguda sobre todo en Colombia, Brasil y Perú, que representan casi dos tercios de la producción mundial de arábica. (...)]

 

 

17-4-2020 - Civil Eats & Poor Conditions at Meatpacking Plants Have Long Put Workers at Risk. The Pandemic Makes it Much Worse [Plant closures due to coronavirus outbreaks—and deaths—among workers underscore existing problems]

 

 

16-4-2020 - Food & Water Walch & USDA Is Removing Safeguards On Food While Everyone Else Is Fighting A Pandemic
[During a pandemic, being able to trust our food system is crucial for our stability. So why is the USDA sneakily approving industry requests to put profit over safety for food and workers? As the world focuses on the COVID-19 pandemic and its devastating impact on public health, the Trump Administration has been busy behind the scenes doubling down on its campaign to deregulate Big Ag. At the same time, it is not providing safeguards to food production workers and government inspectors who are being made to work on the frontlines without frontline employee protections. The USDA Is Playing Fast And Loose With Meat Inspection Lines During The Coronavirus Outbreak — USDA's Food Safety and Inspection Service (FSIS) is deregulating inspection in some of the largest pork processing facilities by reducing the number of inspectors assigned to the slaughter line. They turn over critical inspection tasks to untrained company employees, and remove the cap on how fast the line can run. FSIS anticipates that 40 hog slaughter facilities will convert to this method, which is being called the New Swine Inspection System (NSIS). Those 40 facilities process over 92% of all pork in the U.S. Some of the big names in pork processing are pushing for this, such as JBS, Tyson, Smithfield, Clemens, and Quality Pork Processors. In one plant that has been experimenting with the new system, FSIS inspectors have 2.6 seconds to determine whether the company employees have performed their tasks properly. As a consequence, it is not uncommon for hog carcasses to be contaminated with feces, hair, toe nails, and bile to be greenlit for processing into bacon, pork chops, hot dogs, sausage, and other pork products. (...)]

 

 

15-4-2020 - The New York Times & Smithfield Foods Shuts U.S. Bacon, Ham Plants as Coronavirus Hits Meat Sector [Smithfield Foods Inc, the world's largest pork processor, said on Wednesday it would shutter two U.S. plants that process bacon and ham, after closing a separate hog slaughterhouse because of an outbreak of the coronavirus among employees. The latest shutdowns show the domino effect that can occur when the closure of a major slaughterhouse removes raw materials that are turned into food for consumers. (...)]

15-4-2020 - Reuters & Smithfield Foods shuts U.S. bacon, ham plants as coronavirus hits meat sector [Smithfield Foods Inc, the world’s largest pork processor, said on Wednesday it would shutter two U.S. plants that process bacon and ham, after closing a separate hog slaughterhouse because of an outbreak of the coronavirus among employees. (...)]

 

 

14-4-2020 - Today & Meat factories are shutting down across the country: Will there be a shortage of food? [Will the Smithfield Foods plant closure cause a nationwide pork shortage? (...) On Sunday, Smithfield Farms, one of the nation's largest pork producers, announced it was closing one of its meat processing plants in South Dakota. But it wasn't just any plant. This particular facility in Sioux Falls is responsible for 4-5% of all U.S. pork production (according to figures provided by the company). It will be closed for at least two weeks. The closure comes after at least 300 of the facility's 3,700 employees tested positive for the novel coronavirus. The Virginia-based company is owned by China's WH Group, which is the world's largest pork producer, supplying meat for brands like Smithfield and Nathan's Famous. "The closure of this facility, combined with a growing list of other protein plants that have shuttered across our industry, is pushing our country perilously close to the edge in terms of our meat supply. It is impossible to keep our grocery stores stocked if our plants are not running," Kenneth M. Sullivan, Smithfield's president and chief executive officer, said in a statement released Sunday. "These facility closures will also have severe, perhaps disastrous, repercussions for many in the supply chain, first and foremost our nation’s livestock farmers." (...)]

14-4-2020 - The Philadelphia Inquirer & Slaughterhouses that supply America's meat are starting to close because of coronavirus [On Sunday, one of America's largest pork slaughterhouses shut down after more than 200 workers tested positive for the coronavirus. A day later, a massive beef-processing plant in Colorado announced it's winding down operations. In Canada at least five meat plants have halted operations since the end of March. And most companies haven't said exactly when they'll reopen.To be clear: Nobody is saying North America is running out of meat yet. In fact, refrigerated inventories remain robust across the U.S. and most plants remain open. But the virus, which has now infected hundreds of meat-plant workers in the region, is spreading — and the prospect of prolonged shutdowns has the boss of Smithfield, the world's top pork producer, warning America is "perilously close" to a shortfall. What makes meat supplies especially vulnerable is the fact that they need to be refrigerated. And there's only so much fridge space, said Krista Foster, who teaches Supply Chain Management at the University of Notre Dame's Mendoza College of Business. "Once the existing inventory is used up, consumers can expect to see smaller quantities of pork products in stores due to processing plant closures." (...)]

 

 

13-4-2020 - Food & Water Watch & USDA and Industry Are Neglecting Frontline Food Safety Workers and It’s Going to Impact Our Meat Supply [Smithfield Foods should've closed Sioux Falls facility weeks ago. Over the weekend, Smithfield Foods announced that it will be closing its Sioux Falls, South Dakota pork processing facility indefinitely in light of the coronavirus pandemic. The Sioux Falls plant produced four to five percent of pork production in the U.S., but its focus was on export markets. In response, Tony Corbo, Sr. Government Affairs Representative for Food & Water Action issued the following statement: "Of course high numbers of meat plant workers are starting to test positive for COVID-19. USDA and food production companies like Smithfield have steadfastly refused to respond to the coronavirus pandemic. Their workers - the people who are critical to our food supply chain - have been left unprotected as frontline responders. "Social distancing is impossible in meatpacking plants. The plants are incubators for spreading COVID-19 and neither the plant owners nor the USDA has provided adequate personal protective equipment (PPE) for workers and inspectors to use while on the job. Workers and inspectors at these plants must be immediately tested for COVID-19 and then immediately provided PPE and hazardous duty pay. We must treat these people who are critical to ensuring the safety of our food supply like the frontline workers that they are. (...)]

 

 

13-4-2020 - Bloomberg & Slaughterhouses That Supply America's Meat Are Starting to Close [On Sunday, one of America’s largest pork slaughterhouses shut down after more than 200 workers tested positive for the coronavirus. A day later, a massive beef-processing plant in Colorado announced it’s winding down operations. In Canada at least five meat plants have halted operations since the end of March. And most companies haven’t said exactly when they'll reopen. To be clear: Nobody is saying North America is running out of meat yet. In fact, refrigerated inventories remain robust across the U.S. and most plants remain open. But the virus, which has now infected hundreds of meat-plant workers in the region, is spreading -- and the prospect of prolonged shutdowns has the boss of Smithfield, the world’s top pork producer, warning America is "perilously close" to a shortfall. (...)]

 

 

11-4-2020 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Opinião da Direx: em xeque-mate a "área livre de febre aftosa sem vacinação"!? [Apanhada no contrapé pela mortal pandemia de covid-19, há "futuro" para a "área livre de febre aftosa sem vacinação" do governo Ratinho Junior? Seus defensores insistirão (remando contra a maré) nela ou retomarão a política de vacinação?]

 

 

8-4-2020 - Food & Water Match & The COVID-19 Pandemic Shows Banning Factory Farms Is More Important Than Ever [When a crisis hits, Americans need a food system that's resilient enough to withstand the storm. Here's how banning factory farms can help make that happen. My great grandparents once owned the only grocery store in their tiny, western North Dakota town, where they sold ground beef and roasts from cattle they purchased and processed locally. The store stood for generations, until a Super Walmart opened up in Williston twenty miles away. Similar stories could be told all across rural America, where once thriving rural communities with diverse agricultural systems now struggle to survive, with the shuttering of the local grocery store the final death knell. Agribusiness giants claim that the current food system—characterized by industrial practices and rampant consolidation—is necessary to feed the world. But the coronavirus pandemic is disproving this narrative; major supermarkets are struggling to meet the demand for staples like meat and milk, not due to food shortages but rather the disruption of supply chains. As experts have long warned, the highly consolidated, industrial food system is in fact less resilient than the regional, diversified systems it replaced.  We need smaller, more diverse crop-and-livestock systems and regional food hubs—and a new bill in Congress, the Farm System Reform Act (FSRA), provides the roadmap forward. (...)]

 

 

6-4-2020 - Sputnik & China aponta 'racismo' de Weintraub e critica declarações 'desprezíveis' no Twitter [A Embaixada da China no Brasil divulgou um comunicado no início da madrugada desta segunda-feira no qual criticou duramente o ministro da Educação do Brasil, Abraham Weintraub, que ridicularizou o sotaque de asiáticos e fez acusações contra Pequim]

28-3-2020 - Brasil de Fato & Trabalhadores de frigorífico em SC relatam medo e desespero por conta do coronavírus [Nas maiores empresas de produção suína do país, funcionários convivem com transporte lotado e aglomerações. Os frigoríficos do Sul do país estão operando sem restrições durante a quarentena que tenta conter a pandemia do covid-19. O impacto sobre a vida e a saúde dos trabalhadores se tornou motivo de preocupação desde o começo da semana, quando imagens enviadas por trabalhadores da Aurora e da BR Foods (BRF), em Chapecó (SC), mostraram que as empresas não estão adotando medidas suficientes de prevenção. Santa Catarina começou 2020 com o melhor desempenho histórico em volume de exportação de carne suína e de frango, com um faturamento acima de US$ 3 bilhões. É um dos principais polos de produção de proteína animal do mundo. Mas a pujança econômica não se reflete nos cuidados com a saúde dos trabalhadores. Ao manter a produção com foco nos resultados econômicos, as empresas expõem os trabalhadores ao coronavírus, sem restringir o contato, aplicar medidas de segurança no transporte e evitar momentos de aglomeração. (...)] 

 

 

23-3-2020 - Brasil de Fato & Frigoríficos descumprem normas e expõem milhares de trabalhadores ao coronavírus [Todos os dias, 5,5 mil trabalhadores se movimentam em torno do maior frigorífico brasileiro de abates de suínos, a unidade 1 do Frigorífico Aurora, localizada em Chapecó, principal cidade da região Oeste de Santa Catarina. Trabalhadores chegam em grandes grupos, oriundos dos bairros periféricos e de 20 pequenos municípios da região. São transportados por dezenas de ônibus, sempre lotados, sempre com pressa, de olho no relógio, nas metas e nos prazos. Nas linhas de abate, corte e embalagem de carnes, homens e mulheres seguem suas rotinas, suas vidas. É preciso garantir que os alimentos cheguem aos lares brasileiros e a diversos países ao redor do mundo. A rotina é extenuante e arriscada, envolve equipamentos de corte, materiais sensíveis, regras de segurança. Sempre foi assim, estão acostumados. Mas agora há um novo componente: o tic tac invisível de uma bomba relógio prestes a estourar. Aqui, do jeito que estão trabalhando, é impossível implantar protocolos de segurança que garantam a proteção contra o coronavírus. A pandemia já chegou a essa região. (...)] 

 

 

23-3-2020 - Brasil de Fato & Frigoríficos descumprem normas e expõem milhares de trabalhadores ao coronavírus, em Chapecó (SC) [Todos os dias, 5,5 mil trabalhadores se movimentam em torno do maior frigorífico brasileiro de abates de suínos, a unidade 1 do Frigorífico Aurora, localizada em Chapecó, principal cidade da região Oeste de Santa Catarina. A pandemia já chegou a essa região. Mas pouco está sendo feito pelas indústrias. A pandemia dissemina medo e angústia entre os trabalhadores, que imploram pela redução do ritmo e por medidas de proteção. Sob o risco de contaminação generalizada, os trabalhadores acusam a empresa de se preocupar apenas em manter a produção. Todos os dias, 5,5 mil trabalhadores se movimentam em torno do maior frigorífico brasileiro de abates de suínos, a unidade 1 do Frigorífico Aurora, localizada em Chapecó, principal cidade da região Oeste de Santa Catarina. A pandemia já chegou a essa região. Mas pouco está sendo feito pelas indústrias. A pandemia dissemina medo e angústia entre os trabalhadores, que imploram pela redução do ritmo e por medidas de proteção. Sob o risco de contaminação generalizada, os trabalhadores acusam a empresa de se preocupar apenas em manter a produção]

 

 

22-3-2020 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Opinião da Direx: exige-se o cumprimento do art. 1º do Decreto 4.320/2020! [Caso contrário, conclamamos que o coletivo de fiscais agropecuários promova imediata greve branca total (braços cruzados) na defesa agropecuária do Paraná contra a notoriamente politicista "área livre de febre aftosa sem vacinação"]

 

 

21-3-2020 - APP Sindicato & Governador Ratinho coloca em risco vida de funcionários(as) da educação [Novo decreto (4316/2020), publicado neste sábado(21), define que a entrega de merenda escolar será mantida mesmo com estabelecimentos sem estudantes]

21-3-2020 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Opinião da Direx: infelizmente, parece que teremos "heróis" na fiscalização agropecuária do Paraná [Trata-se de um governo (sic) que impõe risco de morte por decreto e que acredita que os supostos "dividendos políticos" advindos da "área livre" são "mais importantes" que a preservação da vida do fiscal agropecuário do estado]

 

 

19-3-2020 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Opinião da Direx: o Decreto 4.260/2020 e a suspensão dos deslocamentos e viagens a trabalho [Trata-se da  vida do fiscal agropecuário (e dos seus familiares) que está em risco!]

 

 

19-3-2020 - Associação dos Fiscais Agropecuários do Rio Grande do Sul (Afagro) & Secretaria da Agricultura expõe produtores rurais e servidores ao coronavírus [(...) Segundo o presidente da Afagro, Pablo Fagundes Ataide, que participou da reunião com o secretário da Agricultura Covatti Filho, a orientação do titular da pasta é que os servidores façam regime de revezamento e tomem os devidos cuidados com higiene. Contudo, no interior há inspetorias com somente um ou dois servidores. Por este motivo, tal medida não é eficiente pois os produtores que se dirigem às inspetorias para comprovar a vacinação do rebanho ficarão ainda mais tempo aguardando atendimento. “É um contrassenso manter uma campanha de vacinação que promove a aglomeração de produtores nas agropecuárias, nas inspetorias e nos sindicatos rurais. Neste momento, é contribuir para agravar a situação de calamidade”, descreve Ataide. “É lamentável perceber a falta de preocupação com a saúde pública”, acrescenta a vice-presidente da Afagro, Beatriz Scalzili. (...)]

  

 

18-3-2020 - Associação dos Fiscais Agropecuários do Rio Grande do Sul (Afagro-RS) & Coronavírus: Afagro denuncia aglomeração de pessoas nas inspetorias [(...) Ao longo de toda a terça-feira (17/3), a diretoria da Afagro buscou, sem sucesso, informações sobre medidas preventivas junto ao gabinete do secretário Covatti Filho e também junto às chefias. Isto porque a entidade recebeu muitas informações, vindas do interior, sobre a concentração de pessoas nas inspetorias. Conforme divulgado pela imprensa nesta quarta-feira (18/3), o titular da pasta garantiu que o coronavírus não afetará a campanha da vacinação contra a febre aftosa. Tal declaração demonstra que a preocupação primeira é atender aos interesses econômicos do Estado. Até o momento, os servidores da Secretaria da Agricultura apenas receberam a orientação de fazer a distribuição de fichas (senhas) para evitar aglomerações nas inspetorias de defesa agropecuária, porém seguem trabalhando normalmente. Contudo, a tendência é que os produtores se desloquem até as inspetorias para saber o que está ocorrendo. Agrava a situação a ausência de produtos de higiene e limpeza. Muitos municípios não têm sequer sabonete para que os servidores possam higienizar corretamente as mãos, tampouco álcool gel. Neste momento, para evitar a circulação e reduzir a circulação de pessoas, tanto nas inspetorias quanto nas agropecuárias, onde a vacina é comercializada, a medida mais urgente e prudente é suspender, por pelo menos 15 dias, a campanha de vacinação. (...)]

 

 

17-3-2020 - SindSaúde Paraná & O Paraná não está preparado para a pandemia do Coronavírus [O Paraná não está pronto para enfrentar a pandemia do Coronavírus Covid-19. Para proteger a vida das trabalhadoras e dos trabalhadores da Saúde pública paranaense e a população, o SindSaúde-PR protocolou um ofício direcionado ao secretário de Estado da Saúde, Carlos Alberto Gebrim Preto, exigindo medidas emergenciais. O documento pode ser conferido aqui. Estrutura laboratorial e de insumos é insuficiente No Paraná, não será possível identificar com números mais preciso a quantidade de pessoas infectadas com a doença, uma vez que o testes só serão realizados em casos considerados gravíssimos. "As diretrizes para enfrentamento no Paraná vão na contramão de outros locais onde o impacto da pandemia está sendo controlado. A medida tornará praticamente impossível o mapeamento epidemiológico e a rápida contenção, além de se transformar em subnotificação de um lado e inflar os dados de letalidade de outro", afirma a coordenadora-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde Pública do Estado do Paraná (SindSaúde-PR), Olga Estefania]