Preste muita atenção na neoliberal [d]eforma/destruição administrativa em curso

 

Por Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR)

 

Nesta síntese, que apenas tangencia a conjuntura, alertamos que os do andar de cima (os muito ricos), na ganância desmesurada de preservar seus vergonhosos privilégios e astronômicos lucros de forma sociopata, na linguagem comum, viram o cocho contra a democracia formal oferecida pelo liberalismo político sempre que isto for necessário, para que reconfigurem o capitalismo tupiniquim. Vários foram os exemplos oferecidos pela história (esta ensina, mas faltam alunos).

Uma maioria que não compreende a situação

 

Por Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR)

 

Reflita:

 

1 – Há sistemático calote contra a data-base! 

2 – Até o final deste ano não haverá — 1ª amarração governamental indireta anti-subsídio — promoção, progressão e tempo de contagem!

3 – Depois de superada a 1ª amarração governamental, o suposto pagamento da promoção e progressão dependerá de disponibilidade de "orçamento" — 2ª amarração governamental indireta anti-subsídio —, o qual pode muito bem "não existir" ante a pegadinha dos 80% (atenção!) e o "efeito financeiro" se dará quando da publicação a bel-prazer de decreto do executivo.

Sucessão de maldades anti-salário:...

 

Por Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR)

 

... até quando a maioria dos fiscais agropecuários ficará no autoengano e na ilusão coletiva. 

Nos últimos anos um consórcio governista vem continuamente prejudicando os justos e legítimos interesses do fiscal agropecuário do estado.

A seguir relacionamos algumas das maldades já consolidadas ou que estão na iminência de se concretizarem no âmbito estadual:

Sobre os últimos "movimentos"

 

Por Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR)


A criação, idealizada e oferecida pelos "espertalhões", nesses tempos onde a vaca foi para o brejo, é muito útil ao status quo hegemônico: vender distopias/ilusões; tirar o foco da verdade; anular ou retardar qualquer esforço coletivo consciente e racional que era movido dentro da realidade, portanto, das possibilidades.

Entenda:

O modelo de estruturação capitalista e como o fiscal agropecuário,...

 

Por Rudmar Luiz Pereira dos Santos* 

 

... se dominasse a política de classe, poderia dele, de forma reformista/economicista, se favorecer. 

A fiscalização agropecuária, devido à forma como se estrutura o modelo capitalista, tem a obrigação institucional do garante, ou seja, as condições e os meios para que seja possível a acumulação privada de capital (dinheiro) pelos setores agrícolas dependentes da chancela estatal para as suas mercadorias. Explica-se, por exemplo, a dedicação de tanto empenho político pela área livre de febre aftosa, pois esta condição sanitária (assim imaginam os interessados) possibilitará o garante, as condições e os meios para que específicos setores privados acumulem mais capital e se enriqueçam ainda mais. Afinal, ao fim e ao cabo, tudo no capitalismo gravita em torno das formas mercadoria e valor.