Afisa-PR

PSA na China impacta a exportação de soja brasileira 

Não se deve subestimar a fiscalização agropecuária pública: a epidemia de peste suína africana (PSA) na China transcende a saúde animal e impacta a exportação de soja brasileira

 

Exportacao soja PSA

Descarregamento de soja em um porto chines. Imagem: TPG/Getty Images

 

A notícia China's COFCO says soy exports from Brazil to slump on African swine fever crisis; corn to jump (por Roberto Samora e Marcelo Teixeira) da Reuters de 24 de setembro de 2019, dá conta que a trader estatal chinesa de commodities agrícolas China National Cereals, Oils and Foodstuffs Corporation (COFCO) espera "uma queda acentuada na quantidade de soja que exportará do Brasil [com destino à China] este ano" devido à epidemia de peste suína africana (PSA) na China, epizootia que reduziu a demanda por ração para suínos.

Dois executivos da COFCO disseram à Reuters "esperar que o fornecimento de soja no Brasil à China caia de 7 milhões de toneladas em 2018 para 5 milhões em  2019". Por outro lado, "a exportação de milho saltará neste ano para 3,8 milhões de toneladas, ante 2,5 milhões no ano passado".

 

 

Segundo a notícia, a PSA matou milhões de suínos na China e causou uma queda na demanda da importação de soja. Esta oleaginosa é um ingrediente-chave na fabricação da ração para suínos. "Os processadores brasileiros de carne foram beneficiados, mas os agricultores e os comerciantes de soja sofreram" impactos negativos. "Obviamente, toda a cadeia de comércio de grãos reduziu as exportações de soja para a China devido à PSA, e nós também", disse um diretor da COFCO à Reuters.

Fundada em 1949, a COFCO é uma das maiores empresas estatais sob a supervisão diretdo Conselho de Estado da China. A estatal chinesa processa, fabrica e comercializa alimentos e o Brasil é a sua principal área de atuação internacional onde emprega 7.500 de seus 11.000 trabalhadores globais.

 

China: ​PSA eliminou 41,1% do rebanho suíno

Segundo a notícia New data show China's pig herd has shrunk by 41.1 percent in a year (por Editor do The Pig Site) do The Pig Site de 14 de outubro de 2019, ​novos dados que foram coletados no mês passado mostram que a de peste suína africana (PSA) eliminou 41,1% do rebanho suíno da China, em comparação com a situação de 2018. O rebanho suíno chinês continua em declínio a medida que a PSA avança nesse país em prejuízo da sua indústria de carne. 

O Ministério da Agricultura da República Popular da China anunciou que, em pouco mais de um ano desde o primeiro surto de PSA, o rebanho nacional de suínos encolheu significativamente. Infelizmente, a população de suínos deve diminuir ainda mais à medida que novos surtos continuam a surgir em todas as províncias chinesas.

 

 

O último surto de PSA ocorreu em uma cooperativa de criação em um município da cidade de Dansxi, em Gansu, com a morte de 265 dos 287 suínos infectados. O ministério afirmou que o governo local selecionou todos os suínos vivos restantes nessa cooperativa, bloqueou e desinfetou a área entre outras medidas de emergência e que os suínos vivos e produtos relevantes foram proibidos de serem transportados para dentro e para fora da área bloqueada.

Dados de setembro passado mostram que o número de porcas na China caiu 38,9%, depois que mortal doença se espalhou por todas as províncias do país. As quedas no mês passado foram maiores que em agosto, quando o rebanho de suínos encolheu 38,7% e o número de porcas caiu 37,4%.

A indústria de carne suína acredita amplamente que o declínio seja maior do que as estimativas oficiais, embora a diferença entre as duas estimativas tenha diminuído nos últimos meses. O banco holandês Rabobank estima que o rebanho suína da China já tenha caído 50% e poderá cair 55% até o final deste ano.

"No próximo ano, especialmente no primeiro semestre, a produção diminuirá ainda mais", disse Pan Chenjun, analista sênior do banco, à Reuters na sexta-feira (11).

A China lançou recentemente uma série de políticas destinadas a apoiar sua produção nacional de suínos, já que os preços da carne suína subiram para patamares recordes depois que a PSA atingiu o principal produtor mundial de carne suína. Mas enquanto as grandes empresas estão se expandindo agressivamente, os agricultores apenas tentam produzir animais maiores, em vez de expandir seus rebanhos, afirmou Pan.

A China também aumentou suas importações de carne nos últimos meses, incluindo a bovina e suína, para preencher a lacuna de oferta de proteína animal no principal mercado do mundo.

Modificado em 14-10-2019 em 12:47

 

Matérias vinculadas:

14-10-2019 - The Pig Site & New data show China's pig herd has shrunk by 41.1 percent in a year [Data collected in September showed a 41.1 percent drop in China's pig herd compared to figures from 2018 and numbers continue to decline as ASF floods the industry]

24-9-2019 - Reuters & China's COFCO says soy exports from Brazil to slump on African swine fever crisis; corn to jump

19-8-2019 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & A PSA continua implacável na Ásia e na Europa Oriental [Na Ásia até 200 milhões de suínos poderão ser abatidos na China; segundo as Nações Unidas, cerca de 1.170.000 suínos já foram abatidos nesse país em um esforço para deter a disseminação da mortal peste suína africana (PSA)]