Afisa-PR

Segurança alimentar: comitê de médicos processa o USDA

Frigoríficos de frango que operam com "inspeção" privatizada de produtos de origem animal revelaram mais falhas na detecção da bactéria Salmonella. No Brasil, tanto na Câmara como no Senado, tramitam projetos que visam privatizar a fiscalização agropecuária pública de produtos de origem animal

 

 Poultry

Crédito imagem:

 

Com base na notícia Doctors sue USDA for ignoring concerns over fecal contamination of chicken do The Poultry Site de 19 de abril de 2019, o Physicians Committee for Responsible Medicine [comitê de médicos de Médicos pela Medicina Responsável] — uma organização sem fins lucrativos nos EUA que congrega 12.000 médicos — , no último 16 de abril ingressou com processo judicial contra o U. S. Departament of Agriculture (USDA) [Departamento de Agricultura] dos EUA pela sua "falta de preocupação" com contaminação fecal na carne de frango.

O processo judicial, aberto na District Court [Tribunal Distrital] dos EUA para o Distrito de Columbia, almeja obrigar o USDA a cumprir o Administrative Procedure Act (Ato de Procedimento Administrativo) e a responder uma petição do comitê de médicos de médicos apresentada em 14 de março, que pede que a contaminação fecal seja considerada um adulterante sob a Federal Meat Inspection Act  (Lei Federal de Inspeção de Carnes) e Poultry Products Inspection Act [Lei de Inspeção de Produtos Avícolas].

Segundo a notícia, o USDA implementa uma política de "tolerância zero" para a contaminação fecal, porém, aplicável apenas à contaminação feal visível: a carne passa pelo crivo da segurança alimentar do USDA desde que as fezes nas carcaças dos frangos não sejam visíveis a olho nu.

 

 

 

A petição e o processo judicial do comitê de médicos de médicos citam a denúncia de um fiscal agropecuário do USDA/Food Safety and Inspection Service (FSIS) [Serviço de Inspeção e Segurança Alimentar]:

 

"Muitas vezes vemos aves descendo à [de processamento] linha com intestinos ainda presos, cheios de contaminação fecal. Se não houver contaminação fecal na pele da ave, no entanto, não podemos fazer nada para impedir que essa ave desça na linha. É mais do que razoável supor que, uma vez que a ave entre no tanque de resfriamento (um grande tanque de água fria), essa contaminação entrará na água e contaminará todas as outras carcaças do resfriador. Às vezes chama-se isso de 'sopa fecal'".

 

Um vídeo de treinamento feito pelo USDA, chamado Poultry Slaughter Procedures, obtido em 2013 pelo comitê de médicos de médicos depois de um mediante um pedido com base na Freedom of Information Act (Lei de Liberdade de Informação], revelou que o processo de produção da carne termina com a imersão das carcaças de frangos em um tanque de água fria por até uma hora, antes de serem embaladas e destinadas aos consumidores.  

Em 2011, o comitê de médicos de Médicos realizou um estudo, descrito detalhadamente na petição do último dia 14 de março, no qual testou 120 produtos derivados da carne de frango para a presença de bactérias em decorrência da contaminação fecal, vendidos por 15 redes de supermercados em 10 cidades dos EUA: 48% desses produtos estavam contaminados por fezes.   

A petição do comitê de médicos endereçada ao USDA argumenta que público merece um aviso justo de que produtos alimentícios chancelados "como saudáveis" pelo USDA/FSIS, devem ser considerados na verdade como "repugnantes pelo consumidor médio e adulterados sob qualquer leitura razoável da legislação federal".

O processo judicial do comitê de médicos de méditos alega também que o USDA violou a Lei de Liberdade de Informação não respondeu um pedido de informação de 2017, que visava o acesso aos dados referentes às taxas de contaminação fecal da carne em frigoríficos de frangos,  outros dados relacionados à fiscalização em si e à velocidade nas linhas de processamento.

Em 2014, o USDA propôs o New Poultry Inspection System (NPIS) [Novo Sistema de Inspeção de Aves] — que transferiu a responsabilidade da "inspeção" para os empregados dos próprios frigoríficos. O NPIS também diminuiu o número de fiscais agropecuários do USDA/FSIS nos frigoríficos NPISs e aumentou a velocidade na linha de processamento de 140 para 175 carcaças por minuto.

Segundo a notícia, dados comparativos mostraram que os frigoríficos NPIS que trabalham com "inspeção" privatizada da carne de frango "são mais propensos a fracassar nas normas de segurança alimentar" do próprio USDA para a Salmonella (bactéria presente nas fezes dos frangos abatidos) do que os frigoríficos que operam sob fiscalização convencional USDA/FSIS.  

"O USDA engana os consumidores sempre que rotula como saudável um alimento contaminado", disse Deborah Dubow Press, conselheira geral associada do comitê de médicos de Médicos. "Os consumidores devem ficar horrorizados quando sabem que o padrão do USDA para a saúde é 'sem fezes visíveis'".

 

As alegações do USDA

Com base na notícia Chicken often contains fecal bacteria, lawsuit against USDA claims (por ) do USA Today de 18 de abril de 2019, em satisfação ao processo judicial do comitê de médicos, o USDA alegou que "discorda da suposição de que produtos derivados da carne com a marca da sua fiscalização estejam contaminados com fezes", informou o jornal The Washington Post.

A resposta do USDA afirma que testes para detectar a presença da bactérias são feitos para prevenir a contaminação fecal, segundo o The Washington Post. O "cozimento adequado de carne também destrói as bactérias", sustanta o USDA.

Um estudo anteriormente publicado pelo North American Meat Institute (NAMI) [Instituto de Carne da América do Norte] afirma que as bactérias encontradas na carne pela análise do comitê de médicos "não são as mesmas" que causam "contaminação fecal".

Segundo a notícia do USA Today, os estudos do Physicians Committee for Responsible Medicine e do North American Meat Institute mostram divergência em como a carne contaminada com a bactéria Escherichia coli "deve ser oferecida" à população. 


 

Frigoríficos de frango com "inspeção" privatizada revelaram mais falhas de segurança alimentar na detecção de Salmonella

A notícia Privatized Inspection Plants Still Turning Out More Contaminated Chicken do Food & Water Watch de 18 de setembro de 2018 informa que os dados divulgados recentemente pelo Food Safety and Inspection Service (FSIS), vinculado ao USDA, bem como,  informações asseguradas pela Lei de Liberdade de Informação (FOIA)1, possibilitou ao grupo de defesa do consumidor Food & Water Watch revelar que os frigoríficos de abate de frango que se converteram em "modelo de inspeção privatizado", chamado nos EUA de  New Poultry Inspection System (NPIS), continuam a mostrar uma maior probabilidade de falhar no padrão de desempenho do governo para Salmonella do que as plantas que ainda usam o modelo público de inspeção agropecuária.

"Na época em que o NPIS foi proposto em 2012, as autoridades do USDA alegaram que o esquema de inspeção privatizado reduziria os níveis de patógenos em aves de criação. Parece que o oposto está acontecendo", disse Wenonah Hauter, diretora executiva da Food & Water Watch. "Alguns dos grandes participantes do processamento de [carne de] aves optaram por seguir a rota de ["inspeção" privada] desregulamentação, e parece que eles não são confiáveis para se [auto]policiarem. É hora de o FSIS parar a conversão [da privatização] de qualquer outro frigorífico, porque os próprios dados deste Serviço mostram que o NPIS não entrega alimentos mais seguros".

 

 

"Na época em que o NPIS foi proposto em 2012, as autoridades do USDA alegaram que o esquema de inspeção privatizado reduziria os níveis de patógenos em aves de criação. Parece que o oposto está acontecendo", disse Wenonah Hauter, diretora executiva da Food & Water Watch. "Alguns dos grandes participantes do processamento de [carne de] aves optaram por seguir a rota de ["inspeção" privada] desregulamentação, e parece que eles não são confiáveis para se [auto]policiarem. É hora de o FSIS parar a conversão [da privatização] de qualquer outro frigorífico, porque os próprios dados deste Serviço mostram que o NPIS não entrega alimentos mais seguros".

Os frigoríficos que adotaram o NPIS possuem menos inspetores públicos do FSIS & USDA na linha de abate, e a maioria das tarefas de inspeção é transferida para os funcionários dos próprios frigoríficos. Sob inspeção pública, pode haver até quatro inspetores do governo designados para uma linha de abate com cada um deles responsável por avaliar até 35 carcaças de aves por minuto. Sob o NPIS, há apenas um inspetor do governo designado para a linha de abate e ele é responsável por inspecionar até três aves por segundo.

Em 14 de setembro, o FSIS publicou seus mais recentes dados regulamentares de testes de Salmonella para carcaças de aves por frigorífico.  De um total de 205 plantas de frango listadas, 189 plantas tinham dados suficientes para avaliar se elas atendiam ao padrão de desempenho de Salmonella. De acordo com os dados do USDA:

 

1. Trinta e quatro frigoríficos falharam no padrão de desempenho de detecção de Salmonella.

1.1 Dezesseis desses frigoríficos já haviam se convertido no sistema privatizado NPIS; mais dois estavam listados para futura conversão.

1.2 Dezoito das frigoríficos que falharam no padrão de desempenho de detecção de Salmonella estavam usando o modelo tradicional de inspeção.

2. Cinquenta e cinco frigoríficos de frango haviam se convertido no sistema privatizado NPIS a partir de maio de 2018.

2.1 Quase um terço das plantas privatizadas sob NPIS (29%) falhou no padrão de desempenho de detecção de Salmonella, em oposição a 13% das 134 plantas sob inspeção pública (sem o NPIS) que falharam neste padrão.

 

 

Privatização da "inspeção" do abate de frangos intensificará o uso de coquetel químico

Food Integrity Campaign alerta para as consequências da privatização da fiscalização pública da carne de frango, visto que o U. S. Department of Agriculture (USDA) atua para estabelecer um plano de "modernização" — a chocante privatização Chicken Rule (Regra do Frango) — que acelerará a fiscalização nas linhas de processamento e, consequentemente, "confiará" no uso intensivo de produtos químicos para controlar a proliferação de patógenos na carne.

Os fiscais agropecuários públicos do USDA/FSIS relatam que, de acordo com a nova regra privaticionista proposta pelo governo, a carne contaminada de frango provavelmente receberá um tratamento de coquetel químico (chemical cocktail treatment) em vez de ser condenada ou removida para limpeza. A utilização intensiva de produtos químicos no processamento da carne de frango fará com que os trabalhadores dos frigoríficos fiquem mais expostos. Os problemas de saúde para os fiscais agropecuários do USDA/FSIS e para os trabalhadores que atuam nas linhas de produção dos frigoríficos, certamente aumentarão de forma exponencial, caso o novo sistema de "fiscalização" privada da carne de frango seja implementado em todo os EUA.

Dezenas de fiscais agropecuários do USDA/FSIS relataram à Food Integrity Campaign os inúmeros problemas que diagnosticaram no plano de privatização proposto pelo governo — à época do governo Obama chamado New Poultry Inspection System (NPIS) para o abate de aves — incluindo a ex-fiscal agropecuária aposentada e denunciante Phyllis McKelvey.

Com 44 anos de experiência na fiscalização pública do abate de aves, incluindo um trabalho em um dos primeiros frigoríficos-piloto que testou a "funcionalidade" da "fiscalização" privada em alta velocidade (pilot high-speed poultry inspection program), Phyllis testemunhou em primeira mão os danos criados pelo novo "sistema de fiscalização" testado pelo USDA/FSIS. 

 

 

Brasil: na Câmara e no Senado tramitam projetos que visam privatizar a segurança alimentar da população

Na contramão da necessidade do aperfeiçoamento,  modernização entre outras medidas medidas governamentais para preservar a saúde pública e a segurança alimentar da população, na Câmara tramita o PL 334/20151 que intenciona privatizar a fiscalização pública de produtos de de origem animal e no Senado tramita o PLS 326/20162 que intenciona privatizar (pelo binômio “credenciamento privado” e auditoria pública”) toda a fiscalização agropecuária pública3 e a sumária revogação do Decreto 5.741/2006 que assenta e organiza em uma base pública o Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (SUASA).

_____________

1 PL 334/2015; autor: Marco Tebaldi (PSDB-SC); Apresentação: 11/02/2015; Ementa: Altera o art. 4º da Lei nº 1283 de 18 de dezembro de 1.950, regulamentado pelo decreto nº 30.691 de 29 de março de 1952, que dispõe sobre a inspeção industrial e sanitária dos produtos de origem animal, e dá outras providências; Explicação da Ementa: Permite que Estados e Municípios realizem a inspeção sanitária de produtos de origem animal; Situação: Aguardando Parecer do Relator na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC); relator atual: Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

2 PLS 336/2016 de 2016; autoria: Dário Berger (PMDB-SC);  Natureza: Norma geral; Assunto: Econômico - agricultura, pecuária e abastecimento; Ementa e explicação da ementa: Institui a Política Nacional de Defesa Agropecuária; Explicação da Ementa: "Institui a Política Nacional de Defesa Agropecuária, com a finalidade de proteção do meio ambiente, da economia nacional e da saúde humana"; relator: Ronaldo Caiado (DEM-MT).

Modificado em 28-4-2019 em 20:55

 

Matérias relacionadas:

7-5-2019 - Câmara dos Deputados/Comissão dos Direitos Humanos e Minorias & Fiscais agropecuários solicitam apoio da CDHM para apurar casos de agressão [Representantes do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa) estiveram, nesta terça-feira (7), com o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM), Helder Salomão (PT/ES). Eles pediram o apoio na apuração de agressões sofridas pelos fiscais no trabalho em frigoríficos]

 

 

19-4-2019 - The Poultry Site & Doctors sue USDA for ignoring concerns over fecal contamination of chicken [The Physicians Committe for Responsible Medicine filed a lawsuit against the USDA on 16 April 2019 for ignorning fecal matter contamination concerns]

18-4-2019 - USA Today & Chicken often contains fecal bacteria, lawsuit against USDA claims [A nonprofit advocacy group has sued the U.S. Department of Agriculture, alleging the agency has not appropriately responded to their concerns about fecal contamination in the production of chicken and other meats. The lawsuit was filed by the Physicians Committee for Responsible Medicine on Tuesday in U.S. District Court in Washington, D.C. The group says it has 12,000 members who are doctors; it advocates for "plant-based diets and ethical and effective scientific research." The group has previously petitioned the USDA to change how it regulates fecal contamination in meat and poultry production, the lawsuit says. That effort followed a 2011 study by the nonprofit which allegedly found fecal bacteria in 48% of analyzed poultry products sourced from 10 U.S. cities]

 

 

17-4-2019 - Physicians Committee for Responsible Medicine & Doctors Sue USDA for Ignoring Concerns Over Fecal Contamination of Chicken [The Physicians Committee for Responsible Medicine—a nonprofit with 12,000 doctor members—filed a lawsuit against the U.S. Department of Agriculture on April 16, 2019, for ignoring concerns over fecal contamination of chicken and other meat. The lawsuit, filed with the United States District Court for the District of Columbia, seeks to compel USDA to comply with the Administrative Procedure Act and respond to a petition the Physicians Committee submitted on March 14, 2013, which requested that USDA regulate feces as an adulterant under the Federal Meat Inspection Act and the Poultry Products Inspection Act. Although USDA implements a "zero tolerance" policy for fecal contamination, this policy only applies to visible fecal contamination. Chicken products pass inspection as long as feces are not visible to the naked eye]

17-4-2019 - The Washington Post & Consumers are buying contaminated meat, doctors' group says in lawsuit [A group of doctors has filed a lawsuit against the U.S. Department of Agriculture, pushing for new rules to prohibit the sale of raw poultry, pork and beef that contain traces of animal waste — something that is currently allowed under law. The Physicians Committee for Responsible Medicine, a nonprofit group composed of 12,000 doctor members, is also seeking to have the word "wholesome" removed from the inspection label of poultry products. Instead, the group, which advocates for improving human and animal lives through plant-based diets, is proposing a new warning label for both poultry and meat that would alert consumers to the possibility that the products may contain fecal matter. USDA says it has a "zero tolerance" policy for fecal contamination in poultry and meat-processing plants, but this applies only if the fecal contamination is visible]

 

 

8-4-2019 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & EUA: o USDA e sua contestada "inspeção" privatizada da carne suína [Coincidentemente, no Brasil tramitam os similares projetos privaticionistas PL 334/2015 e PLS 326/2016Modus operandi importado? Adoção de um "HIMP" piorado (já adotado no Paraná e outros estados)? Privatização da segurança alimentar da população? São os legítimos questionamentos que devem ser feitos em favor do interesse público e da saúde e segurança alimentar da população & USA: The USDA and its contested "inspection" privatized pork & Coincidentally, in Brazil they have the similar privatitionist projects PL 334/2015 and PLS 326/2016Imported Modus Operandi? Adoption of a worsened "HIMP" (already adopted in Parana and other states)? Privatization of the safe food of the population? The legitimate questions that must be made in pro of the public interest and food health and safety of the population] 

 

 

15-11-2018 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) &  EUA: trabalhadores dos frigoríficos de frangos temem ferimentos e o USDA/FSIS quer mais rapidez na linha de produção e privatização [Nos EUA, o aumento da velocidade na linha de produção de 140 para 175 carcaças por minuto nos frigoríficos de frangos reverteria os esforços dos defensores dos trabalhadores e do bem-estar animal. Além do aumento da velocidade na linha de produção, o USDA/FSIS propõe a privatização da fiscalização pública de produtos de origem animal & U.S.: Chicken slaughterhouse's  workers fear injury and USDA/FSIS wants faster on production line and privatization & In the U.S., the increase in speed in the production line from 140 to 175 carcasses per minute in chicken slaughterhouses would reverse the efforts of workers' defenders and animal welfare. In addition to the increase in speed in the production line, the USDA/FSIS proposes the privatization of public inspection of products of animal origin]

26-10-2018 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Segurança alimentar: alimentos inseguros custam US$ 110 bilhões por ano aos países de baixa e média renda [Estudo do Banco Mundial: seu economista agrícola líder e co-autor do estudo, Steven Jaffee, afirmou que os governos dos países de baixa e média renda — caso do Brasil, citado nesse estudo — precisam ser mais inteligentes para investir em segurança alimentar e monitorar o impacto das intervenções que fazem & Food security: Unsafe food costs US $110 billion per year to low and middle-income countries & World Bank Study: it´s leading agricultural economist and co-author, Steven Jaffee, said the governments of the low-and middle-income countries — the case of Brazil, cited in this study — need to be smarter to invest in food security and Monitor the impact of interventions that make]

30-9-2018 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Fiscalização de produtos de origem animal do Paraná: MAPA presta esclarecimentos à Afisa-PR [As opções de "gestão pública" em detrimento de parte da fiscalização de produtos de origem animal do governo do Paraná são equivocadas e possuem potencial para colocar em risco a segurança alimentar da população paranaense: o governo Richa nomeou o staff comissionado em turno para o órgão de fiscalização agropecuária do estado; o governo Borghetti o manteve & Inspection of products of animal origin of Paraná: map provides clarifications to AFIs-PR & The "public management" options to the detriment of part of the inspection of animal products of the Government of Paraná are misguided and have the potential to put in risk the food security of the Paraná population: the government of the Richa appointed the staff Commissioned in turn for the inspection of the State; The Borghetti government kept him]

11-5-2018 – Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & O 'HIMP' piorado que tenta privatizar a fiscalização agropecuária pública ["No entanto, o FSIS não demonstrou verdadeiramente que o seu programa piloto de abate de suínos reduz as contaminações, e, portanto, as taxas de doenças. Ao contrário, a evidência disponível sugere que o HIMP para o abate de suínos irá minar a segurança alimentar" — Carta a Vilsack & The 'HIMP' worsened that attempts to privatize agricultural surveillance & "However, the FSIS didn´t demonstrate truly that your slaughter of pigs pilot program reduces the contamination, and therefore the rates of disease. On the contrary, the evidence available suggests that the HIMP for the slaughter of pigs will undermine food security" —  Letter to Vilsack]

19-3-2018 – Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & EUA: Privatização da inspeção do abate de aves intensificará o uso de produtos químicos [Em Qual é o problema da inspeção da carne? "Nos EUA em vez de diminuir o ritmo da produção para garantir o fornecimento de carne segura e saudável, a indústria apela para produtos químicos para tentar desinfetar bactérias como a Salmonella e esterilizar as fezes que ainda podem estar na carne processada"  — Food & Water Watch. E no Brasil almeja-se, mediante a aprovação dos projetos de lei 334/2015 e 326/2016, o "HIMP" piorado em prejuízo da fiscalização agropecuária pública & USA: privatization of slaughter poultry inspection will enhance the use of chemicals & What´s the problem of meat inspection? In the US, instead of decreasing the rate of production to ensure the provision of safe and healthy beef, industry calls for chemicals to try to disinfect bacteria such as Salmonella and sterilize the feces that can still be in processed meat. (Food & Watch). And in Brazil they want to impose, via the Bills and 326, 334 HIMP worsened to the detriment of agricultural inspection promoted by public authorities]

13-3-2018 – Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR)& Fiscalização da carne: Associação dos fiscais agropecuários do Paraná reivindica adoção do sistema similar ao inglês de CFTV [Carta reivindicatória foi protocolada ao ministro Blairo Maggi do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento & inspection of meat: Association of Inspectors of Agricultural and Livestock Defense of Paraná asks adoption of system similar to CCTV English & The Letter reinvindicatory was filed to the Minister Blairo Maggi from the Ministry of agriculture, livestock and supply food]

13-3-2018 – Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & 'Autofiscalização' privada: Fiscais agropecuários da carne do USDA/FSIS fazem graves denúncias [Trata-se do programa governamental preconizado pelo United States Department of Agriculture (USDA) chamado HIMP - HACCP-Based Inspection Models Project que atualmente é testado em alguns frigoríficos piloto, antes de ser adotado como "regra" e expandido para todos os demais frigoríficos norte-americanos — no Brasil, lamentavelmente, certos gestores públicos e certos congressistas intencionam seu "HIMP" piorado! & 'Self-inspection' private: agricultural inspectors of USDA/FSIS make serious complaints & This is the Government programme advocated by the United States Department of Agriculture (USDA) called HIMP-HACCP-Based Inspection Models Project that is currently tested on some slaughterhouses  pilot, before being adopted as "rule" and expanded to all other american slaughterhouses — in Brazil, unfortunately, some public managers and certain congressmen intend your "HIMP" worsened!]

26-2-2018 – Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Indústria da carne de frango dos EUA, já contemplada com "fiscalização" privada, quer mais [Indústria da carne de frango dos EUA, não contente com a "fiscalização" privada, agora pressiona o USDA/FSIS pelo aumento da velocidade nas linhas de produção – É o que denuncia o Food & Water Watch & Chicken meat industry of the United States, already covered with "self-inspection", private & Chicken meat industry of the United States, not content with the “self-inspection” private, now press the U. S. Department of Agriculture (USDA) by increasing the speed in their production lines – is denouncing the Food & Water Watch]

20-1-2018 – Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & EUA: a ascensão de um perigoso e nocivo "sistema de fiscalização" de da carne [Sob o pretexto da “modernização”, a norma apelidada de Trump's Pork Rule privatiza os deveres de trabalho dos fiscais agropecuários do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) & Serviço de Inspeção e Segurança Alimentar (FSIS) e os "transfere" aos empregados dos frigoríficos que não são treinados para a "fiscalização" de produtos de origem animal & The rise of a dangerous and harmful "system" of meat inspection & Under the guise of "modernization", the standard dubbed Trump's pork rule privatizes work duties of agricultural inspectors of the United States Department of agriculture (USDA) & Inspection Service and food safety (FSIS) and the transfers to employees of the slaughterhouses that are not trained for "inspection" of products of animal origin]

13-6-2017 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & PLS 326/2016: Afisa-PR critica convocação de Caiado [Audiência pública na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária debaterá o PLS 326/2016 que alega "instituir a Política Nacional de Defesa Agropecuária", mas na prática, intenciona privatizar a fiscalização agropecuária pública. Afisa-PR criticou a convocação do responsável pela Portaria 158/2014 que privatizou parte da fiscalização pública de produtos de origem animal do Paraná]

31-10-2016 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & PLS 326/2016: modus operandi importado? [É necessário dar um rotundo não ao inconstitucional, ilegal, prejudicial e privaticionista PLS 326/2016]

8-10-2016 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & PLS 326/2016: Afisa-PR encaminhou carta ao seu relator no Senado [A aprovação do PLS 326 de 2016 é inadmissível, pois visa privatizar a fiscalização agropecuária pública]

7-7-2016 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Contra o privaticionista PL 334/2015, a Afisa-PR encaminha carta ao seu relator, Onyx Lorenzoni [Contra o privaticionista PL 334/2015, a carta da Afisa-PR traz à discussão consistentes informações  dispostas em tópicos, apêndices e casos que desnudam a inconstitucional e ilegal privatização da fiscalização pública de produtos de origem animal]

25-6-2016 – Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & Qual é o problema da fiscalização da carne? ["Filthy Chicken Rule": notícia Meat Inspection do Food & Water Watch lança luz sobre o "modelo" preconizado pelo USDA dos EUA que visa privatizar a fiscalização pública da carne]

18-6-2016 - Associação dos Fiscais da Defesa Agropecuária do Estado do Paraná (Afisa-PR) & EUA: revelados os tenebrosos bastidores da privatização da inspeção do abate de aves [Nos EUA os tenebrosos bastidores da "fiscalização" privada da carne de frango. É esse o "modelo copiar e colar" que certos parlamentares e comissionados de livre nomeação querem impor contra a saúde e segurança alimentar da população?]